Próximo do Mercado da Ribeira, onde vai buscar muitos dos produtos que inspiram o menu, o Dahlia nasceu inspirado nos icónicos “listenings bars” japoneses, pela mão de David Wolstencroft, juntamente com três outros sócios, Hamish Seears, Tiago Oudman e Harrison Iuliano. Ao projeto, juntou-se também Adam Purnell, que veio de Berlim para Lisboa para assumir a gerência do Dahlia.

Projetado e decorado por Tiago Oudman, no Dahlia ouve-se música de todos os géneros tocada em vinil, através de um sistema de som otimizado. O ambiente, descontraído e cheio de “boa onda”, ganha com a presença de uma ampla coleção de vinis em exposição atrás do balcão. A seleção musical é escolha de David (DJ Trus'me).

À mesa, os pratos são acompanhados por um leque de vinhos naturais. Os clientes podem escolher entre uma seleção de 20 referências, tanto nacionais, como internacionais (Espanha, França e Nova Zelândia), permanentemente renovadas.

Dahlia, o restaurante e “listening bar” que junta petiscos do Médio Oriente a vinhos naturais
Dahlia

O Dahlia trabalha com vários pequenos produtores de vinho que utilizam técnicas alternativas, sem recurso a produtos químicos. Uma relação de proximidade com os produtores que pretende ser motor para divulgar o setor. A experiência no Dahlia pode também ser acompanhada por uma seleção de cocktails, como o Mezcal Negroni (13 euros) ou o Hibiscus Fizz (9 euros), preparados pelo mixologista Rony Hernandez.

Já na cozinha, Vítor Oliveira, antigo chefe de cozinha do Damas, em Lisboa, e Gabriel Rivera, assumem o leme para apresentarem à mesa propostas gastronómicas, confecionadas com produtos frescos e sazonais. A equipa visita os mercados da zona diariamente e mantém uma forte relação com os produtores e fornecedores. O menu está sempre em atualização, de acordo com os produtos disponíveis em cada estação do ano.

Dahlia, o restaurante e “listening bar” que junta petiscos do Médio Oriente a vinhos naturais
Dahlia

A carta, composta por comida para partilhar, inspirada no Médio Oriente, propõe entradas como o Flatbread caseiro (3 euros) ou as Chips de raízes de vegetais (4,5 euros). Já na secção dos “vegetais”, produtos em destaque no menu, encontramos pratos como Couve-flor caramelizada, chimichurri, creme de amêndoas (7,5 euros), Pepino, pickle de maçã verde, azeite de sementes de abóbora (6,5 euros), Beterraba curada, laranje e vinagrete de pistachios (6,5 euros). Todos os pratos de vegetais têm opção vegan.

Camarão selado, chilli bisque, kimchi (10,5 euros), Costeletas de borrego seladas, cominhos, queijo caseiro (13,5 euros), Lula frita, arroz frito com tinta de lula, aioli (13 euros) são outras das propostas gastronómicas dos chefes.

Dahlia

Travessa do Carvalho, nº 13, Lisboa

Horário: aberto de terça-feira a sábado, das 18h30 às 01h00 (cozinha encerra às 23h00)

Contactos: tel. 967 950 102; e-mail adam@dahlialisboa.com

Para rematar a refeição, o Dahlia propõe, por exemplo, o Bolo de chocolate, sabayon de sésamo preto (5,5 euros).

O Dahlia conta com 40 lugares, repartidos por 24 no exterior e 16 no interior.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.