Apesar de serem frequentemente confundidos um com o outro, iluminador não é sinónimo de corretor de olheiras. Aplicá-lo corretamente faz com que o rosto se encha de luz. É a nova tendência da maquilhagem já há algum tempo e marca a diferença entre um look perfeito e um visual comum. Corretor e iluminador não são, contudo, a mesma coisa. Apesar de muitas marcas de cosmética (n)os confundirem juntando os dois termos nas suas etiquetas, convém saber que há uma grande diferença.

O próprio conceito de um e de outro difere. O corretor utiliza-se para uniformizar a tez da pele, corrigir olheiras e dissimular determinadas imperfeições, como manchas, rubores, marcas de acne ou borbulhas. Já o iluminador, cada vez mais utilizado, é um produto que serve para dar um toque de luz ou volume ao rosto, quer seja em toda a sua base ou em zonas bem concretas e definidas.

Luz!

Efetivamente, a luz é a carta na manga guardada por este cosmético de última geração. O efeito é conseguido porque inclui na sua fórmula micro-partículas reflectoras de luz que captam os raios luminosos.

Faça-se luz, então!

Existem em vários tons, texturas e formatos, e cada um deles foi pensado para criar um efeito diferente e para aplicar sobre tons de pele distintos. Relativamente à cor, nem todos têm a mesma tonalidade e os mais comuns são os brancos ou tons muito claros, que servem especialmente para preencher as zonas marcadas e conseguir que passem despercebidas. Entre os que pode encontrar com mais facilidade, destacam-se os tons:

- Malva e rosa

Potenciam o brilho em peles muito morenas ou bronzeadas.

- Verde

Para iluminar espaços com rubor e criar volume. Também obtém muito bons resultados em peles muito rosadas.

- Amarelo ou bronze

Para dar um tom dourado à pele.

- Dourados ou prateados

Contêm micro-partículas de brilho. São os menos aconselhados para peles oleosas.

Como aplicar

Em pó, serve para iluminar zonas concretas com maior intensidade. Aplica-se com um pincel ou com os dedos por cima do fond-de-teint, em zonas específicas, incidindo nas zonas que se quer iluminar ou fazer sobressair. Em creme, serve para dar um aspeto mais luminoso à pele do rosto. Pode ser utilizado antes, depois ou misturado com o fond-de-teint.

Este produto aplica-se com um pincel pequeno ou com uma ligeira massagem com os dedos, para um efeito mais natural. Com aplicador, serve para dar toques muito específicos, sobretudo, em zonas mais marcadas, que pode disfarçar ou iluminar sem precisar de usar maquilhagem. Como estes trazem um pincel incorporado, a sua aplicação é mais precisa e simples.

Veja na página seguinte: Pequenos truques que funcionam mesmo

Pequenos truques que funcionam mesmo

Para dar um aspeto clean à sua boca, aplique iluminador para aclarar os lábios. Com um pouco de gloss por cima vai conseguir um ar sensual e muito chique. Se não tem tempo para maquilhar os olhos, aplique uma pincelada de iluminador na pálpebra móvel e no arco da sobrancelha para dar um toque de luz aveludado ao seu olhar. Aplique o iluminador com luz natural, porque a luz artificial pode impedi-la de identificar as zonas que precisam de ser iluminadas.

O que é iluminar?

Dependendo do local onde aplicar o iluminador, conseguirá um efeito diferente. Se o aplicar no centro da testa, sobe o olhar e ilumina o rosto em geral. No arco das sobrancelhas, abre o olhar. Na pálpebra fixa, faz desaparecer a sombra produzida pelas pestanas (sobretudo as mais longas). Já se o aplicar na parte alta das maçãs do rosto, concentra a luz nesta zona e afina o rosto. Se as tiver muito proeminentes, evite usar iluminador aqui.

No canto interno dos olhos (entre os olhos e o nariz), faz com que os olhos pareçam mais afastados e reduz o efeito de olhos muito afundados. Nas abas do nariz, apaga as sombras que estas provocam e afina o nariz. E, finalmente, no queixo delimita melhor o contorno do rosto e evita brilhos desnecessários.

A arte de iluminar

O mais normal, se lhe acabou de cair um iluminador nas mãos, é não saber o que fazer com ele! Não é dos cosméticos mais usados pelas mulheres, portanto não se preocupe se não o souber utilizar. Os dois erros mais comuns são aplicá-lo em sítios desapropriados ou em quantidades excessivas. Não nos podemos esquecer que os iluminadores são produtos muito ricos em pigmentos, pelo que só é necessário usar uma quantidade mínima para ver o seu efeito sobre a pele.

Usá-lo em demasia provoca uma acumulação de produto nas rugas de expressão mais marcadas, o que, evidentemente, produz o efeito contrário ao pretendido, acrescentando-nos anos de vida e roubando-nos luminosidade. Este cosmético foi criado para destacar e suavizar a imagem, efeito esse que se consegue aplicando pequenos pontos de luz em zonas estratégicas. Algumas fórmulas, contudo, também podem ser aplicadas em todo o rosto, fazendo-o irradiar vitalidade.

Para se conseguir este efeito, é fundamental aplicar pequenos toques em toda a cara e espalhá-lo homogeneamente com os dedos. Em qualquer dos casos, tenha sempre em conta que os tons mais escuros afundam e os mais claros alisam as superfícies. Se tiver um rosto arredondado, é melhor optar por tonalidades escuras. Se estivermos a falar de zonas mais ossudas que formam sombras, então convém optar por um tom mais claro.

Texto: Madalena Alçada Baptista