As manchas aparecem frequentemente
na testa, zona superior do lábio e maçãs
do rosto.

A mais comum é o melasma,
conhecido como pano, que atinge quase
em exclusividade o sexo feminino.

Tem
tratamento, mas saiba desde já que este
requer manutenção e um redobrado cuidado
com o sol, um gesto que também
ajuda a prevenir o seu aparecimento. O termo mancha refere-se à pigmentação
da pele, que pode ser natural, se relacionada
com a melanina, ou resultante de pigmentos
extrínsecos (tatuagens ou marcas
acidentais).

«Na maioria das vezes referimo-nos à pigmentação de melanina.
A mais comum é o melasma que surge nas
mulheres em idade fértil, associado a factores
hormonais», diz Miguel Trincheiras,
dermatologista. A produção de progesterona
tem uma acção cruzada com a
hormona estimuladora da melanogénese
(MSH) gerando esta pigmentação que tende
a desaparecer espontaneamente após a
menopausa.

O especialista refere ainda «as
efélides (sardas) que podem reunir-se em
manchas maiores e os lentigos, que aparecem
com a exposição crónica ao sol ao
longo da vida». Estas últimas dependem da
susceptibilidade e do fototipo da pessoa.

Medidas preventivas

Sendo a pigmentação cutânea directamente
dependente do sol, é indispensável fazer
sempre uma protecção da pele com um índice elevado. Caso existam já lesões, estas
tendem a agravar-se com o sol, por isso «é
fundamental reduzir a exposição solar, usar
chapéu e óculos e sobretudo usar um filtro
solar 50+ com partículas físicas que
reflictam a radiação», diz o dermatologista.

No melasma, dada a influência dos factores
hormonais, «associados aos contraceptivos
hormonais (pílula, implantes e alguns
dispositivos intra-uterinos) e a fases da vida
como a gravidez, em que essas hormonas
são produzidas em maior quantidade», é
preciso minimizá-los tanto quanto possível.
Assim, na gravidez deve reforçar os cuidados
com o sol e relativamente à contracepção
hormonal pode ser necessário «escolher
um método alternativo», acrescenta.

Em casa

Existem diversos cremes com efeito despigmentante
para o tratamento diário
de manchas cutâneas. Podem ser usados por qualquer pessoa, sendo a sua acção
mais ténue do que os tratamentos realizados
em consultório. Os compostos mais
comuns são o ácido fítico, ácido cógico,
ácido azelaico, ácido láctico, ácido glicólico,
vitamina C, a arbutina, os iões de
cobre,
sendo que a maioria dos produtos
engloba uma mistura destes complexos.

«A molécula de referência continua a
ser a hidroquinona, retirada do mercado
por decreto europeu. Em Portugal, não
existem produtos à base de hidroquinona,
mas é possível, através do seu médico,
recorrer à importação de protocolos
de despigmentação cutânea», esclarece o
dermatologista.

No consultório

O primeiro passo consiste em avaliar o
tipo
e profundidade da pigmentação.
Com uma luz especial, de ultravioleta,
o médico irradia a mancha para saber se
é superficial ou profunda. Se for superficial,
o melasma é mais facilmente tratável.

Segundo Miguel Trincheiras, «pode fazer
um peeling em consultório e continuar
com cremes de manutenção ou pode, em
casa, usar um protocolo despigmentante,
seguindo a explicação prévia do dermatologista.
A aplicação varia em função da
sensibilidade cutânea da pessoa, do fototipo
e de tratamentos anteriores». Com
tratamentos mais agressivos os resultados
rondam os 85 a 90 por cento de melhoria,
com uma manutenção complementar
na tentativa de eliminar completamente a
mancha.


Veja na página seguinte: Quanto tempo para obter resultados

O tempo até obter este resultado
é de três ou quatro semanas, mas «nem
sempre é possível um desaparecimento
total, apesar de ser notória a suavização da
pigmentação», realça.

O tratamento dos
lentigos é feito por um laser específico,
Q-Switch, e requer a manutenção posterior
com creme aclarador.


À lupa
As diferenças entre as principais
soluções médicas
anti-manchas:


Peeling
Tratamento usado no melasma que
requer várias sessões de peelings aclaradores
e manutenção posterior em casa.
Preço:
Entre 200 e 250 euros (em consultório).

Protocolo
Aplica-se no melasma, mediante
prescrição médica. Existem
vários kits,
que incluem geralmente líquido de limpeza,
tónico, esfoliante químico, creme aclarador,
creme de mistura com retinóides e
protector solar.
Preço: Entre 250 e 500
euros.

Laser
Tratamento de sessão única com
resultados notórios no tratamento dos
lentigos.
Preço: Entre 120 e 500 euros
(consoante a extensão das lesões).


Texto: Mariana Correia de Barros com Miguel Trincheiras (dermatologista)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.