“Não temos escolas fechadas, mas há muitos professores a fazer greve e escolas a funcionar a meio gás, ou seja, os alunos estão nas escolas, mas não têm todas as aulas”, contou à Lusa Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP).

A greve dos professores começou hoje na região da Grande Lisboa (Lisboa, Setúbal e Santarém) e na Madeira e termina na sexta-feira, dia em que o protesto se deverá fazer sentir na região norte e nos Açores.

Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Ver artigo

“A maioria das famílias não sente os efeitos da greve porque os seus filhos estão na escola, embora não tenham todas as aulas. Hoje, o ambiente que se vive nas escolas é mais de recreio e menos de sala de aula. Todos os minutos são de intervalo”, acrescentou Filinto Lima, sublinhando que os professores estão mobilizados para fazer valer a sua posição em relação ao processo de descongelamento do tempo de serviço.

Diferendo entre docentes e tutela

Em causa está o diferendo que separa docentes e tutela na contagem do tempo de serviço que esteve congelado: O Ministério da Educação apenas admite o descongelamento de dois anos e 10 meses e os sindicatos exigem ver contabilizados os nove anos, quatro meses e dois dias congelados.

Para Filinto Lima, os ministérios da Educação e das Finanças devem olhar com atenção para esta greve e para o passado recente dos protestos levados a cabo pelos professores. “Só este ano letivo já se realizaram mais greves do que desde que o Governo tomou posse e este é um sinal muito importante que o Governo não pode ignorar”, sublinhou.

O professor e representante dos diretores escolares deixa um aviso ao Executivo: “O Ministério das Finanças deve abrir os cordões à bolsa e tratar a Educação de forma diferente”.

“Hoje, há muitas aulas que não estão a ser lecionadas e que acabam por prejudicar milhares de alunos, tendo em conta que cada professor tem, em média, entre 150 a 20 alunos”, afirmou o presidente da ANDAEP, que acredita que nos próximos dias a adesão à greve ainda possa ser mais expressiva.

Hoje a greve realiza-se na região da grande Lisboa (Lisboa, Setúbal e Santarém) e na Madeira.

Na quarta-feira, a greve concentra-se na região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro) e no dia 15 na região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco).

A greve termina a 16 de março, sexta-feira, dia em que os professores paralisam na região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.