Face à propagação do coronavírus (COVID-19) e às dúvidas e preocupações das mães sobre a segurança de manter ou não o aleitamento materno, a Medela, empresa suíça com mais de 50 anos de experiência a empenhar os seus esforços para compreender as necessidades das mães e o comportamento dos bebés, compilou a informação mais recente e precisa sobre o aleitamento materno e o COVID-19, visando a segurança e a saúde, tanto da mãe como do bebé.

Deste modo, criou no seu site um Centro de Informação do COVID-19, no que diz respeito ao aleitamento materno, com o qual pretende responder às dúvidas mais frequentes daquelas mães que se perguntam como esta infeção viral as pode afetar e aos seus bebés, e que precauções devem ter.

Além disso, através dos seus perfis nas redes sociais (@medela_pt no Instagram e Medela Portugal no Facebook), os profissionais da Medela estão, a partir das suas casas, a aconselhar e a responder às dúvidas que os pais e as mães possam ter. A empresa irá atualizando esta área à medida que haja informação científica verificada e veiculada pelos canais oficiais.

Entre as dúvidas mais comuns, às quais a Medela dá resposta, estão a limpeza dos extratores de leite materno, a conveniência de amamentar se foi diagnosticado o COVID-19 à mãe ou a segurança do leite doado, entre outros tópicos.

Posso dar de mamar se me diagnosticam COVID-19?

Considerando os benefícios do aleitamento materno e do papel insignificante do leite materno na transmissão de outros vírus respiratórios, a UNICEF salienta que a mãe pode continuar a dar de mamar desde que siga todas as precauções necessárias.

Segundo a Academy of Breastfeeding Medicine (Academia de Medicina de Aleitamento Materno, ABM, pelas siglas em inglês), estudos limitados sobre mulheres em período de aleitamento materno com COVID-19, e outras infeções de coronavírus, não detetaram o vírus no leite materno.

Esta mesma instituição indica que se desconhece se as mães com COVID-19 possam transmitir o vírus pelo seu leite materno, ainda que, atualmente, a principal preocupação é se uma mãe infetada pode transmitir o vírus através das gotículas respiratórias durante o período do aleitamento materno.

As precauções para evitar transmitir o vírus ao bebé durante o aleitamento materno incluem: lavar as mãos antes de segurar o bebé e usar máscara para evitar transmitir o vírus pelas gotículas respiratórias quando se está em contacto próximo, por exemplo, a dar de mamar.

As recomendações estimulam as mães não contagiadas a alimentar os seus bebés com leite materno extraído, por isso se se utiliza uma bomba de extração de leite, é necessário lavar as mãos antes de tocar nos componentes do extrator ou do biberão e seguir as instruções de limpeza depois de cada utilização.

Quais são as diretrizes para armazenamento de leite materno se tenho COVID-19?

Segundo a ABM e a Human Milk Banking Association of North America (Associação de Bancos de Leite Humano da América do Norte, HMBANA, pelas siglas em inglês), devem seguir-se as indicações habituais para armazenar o leite materno se a extração for feita de forma limpa e segura.

Neste sentido, e dependendo de quando se irá utilizar, o leite materno pode guardar-se à temperatura ambiente, no frigorífico ou no congelador:

dados armazenamento leite materno
dados armazenamento leite materno

Cabe salientar que, se o bebé está numa Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais (UCIN) ou numa unidade de cuidados especiais, o hospital pode ter recomendações mais rígidas para a limpeza e o armazenamento.

Além disso, recomenda-se etiquetar os biberões ou os recipientes de armazenamento, indicando a quantidade e a data em que se extraiu o leite para poder manter o controlo e gerir o leite armazenado.

O meu bebé, na UCIN, pode receber leite materno doado? Isto é seguro tendo em conta o coronavírus?

Ao dia de hoje, não se sabe se as mães com COVID-19 podem transmitir o vírus através do leite materno. Os estudos, limitados, em mulheres lactantes com COVID-19 e outras infeções por coronavírus, não detetaram o vírus no leite materno. Na maioria dos países, o leite humano doado é pasteurizado e sabe-se que outros coronavírus se destroem por pasteurização. No entanto, neste momento, não há evidência para informar se o novo coronavírus (caso esteja presente) seria destruído de forma similar.

Para obter mais informação: European Milk Bank Association (Associação Europeia do Banco de Leite) e na HMBANA.

Posso utilizar um extrator hospitalar ou de aluguer se tenho COVID-19?

Segundo a ABM, as mães que têm a intenção de amamentar ou continuar amamentando, devem ser encorajadas a extrair o seu leite materno para iniciar ou manter a administração de leite. Se é possível, o hospital deve proporcionar um extrator de leite hospitalar.

Quando vão extrair o leite materno, as mães devem lavar as mãos adequadamente, antes de tocar nas peças do extrator ou no biberão, e tomar as precauções necessárias, como usar uma máscara durante, pelo menos durante 5-7 dias, até que a tosse e as secreções respiratórias melhorem significativamente.

Depois de cada sessão, todas as partes que estão em contacto com o leite materno devem lavar-se a fundo, seguindo as recomendações para uma limpeza adequada do extrator e do exterior de todo o extrator. Do mesmo modo, as garrafas de recolha de leite devem ser desinfetadas adequadamente com álcool etílico a 70% ou outro desinfetante de uso comum, que seja ativo contra o COVID-19.

Posso contagiar-me com COVID-19 por um extrator de leite contaminado?

A limpeza do serviço dos extratores de aluguer é realizada por pessoal qualificado, aplicando procedimentos standard. As bombas de extração de leite limpam-se com água e sabão e são desinfetadas antes de serem utilizadas por outra mãe. Existem muitos desinfetantes, incluído os desinfetantes hospitalares de uso comum, que são ativos contra os coronavírus.

Durante quanto tempo está vivo o Coronavírus nos extratores, kits ou acessórios?

Os cientistas descobriram que o vírus responsável pelo COVID-19 é detetável da seguinte forma:
- Em aerossóis: até 3 horas
- Sobre cobre: até 4 horas
- Sobre cartão: até 24 horas
- Sobre plástico: até 2/3 dias
- Sobre aço inoxidável: até 2/3 dias

Estou grávida. Pode o meu bebé sofrer danos por causa do COVID-19 durante a gravidez?

De acordo com os Centers for Disease Control and Prevention (Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, CDC, pelas siglas em inglês), neste momento, não há evidência suficiente para determinar se o vírus se transmite da mãe para o bebé, durante a gravidez, ou o possível impacto que isto possa ter sobre o bebé.

É um assunto que está a ser investigado atualmente. No entanto, detetaram-se um pequeno número de problemas na gravidez ou no parto (por exemplo, no parto prematuro) em bebés de mães que tenham dado resultados positivos para COVID-19 durante a gravidez, embora não esteja claro se estes resultados estão relacionados com a infeção materna ou não.

Estou grávida. É fácil o contágio com COVID-19 em mulheres grávidas?

O Royal College of Obstetricians and Gynaecologists (Colégio Real de Obstetras e Ginecologistas, RCOG, pelas siglas em inglês) afirma que, em comparação com a população em geral, as mulheres grávidas não parecem ser mais suscetíveis às consequências da infeção de COVID-19.

Contudo, as mulheres grávidas sofrem alterações nos seus corpos que podem aumentar o risco de algumas infeções.

Além disso, com vírus da mesma família do COVID-19 e outras infeções respiratórias virais, como a gripe, as mulheres demonstraram um maior risco de desenvolver doenças graves. Por esse motivo, os CDC afirmam que é sempre importante as mulheres grávidas se protejam contra qualquer doença.

Estou grávida. Como me protejo do COVID-19? Que posso fazer para evitar que a doença se propague?

As mulheres grávidas devem adotar as mesmas medidas que a população em geral para evitar a infeção. Instituições oficiais, como a OMS e a UNICEF, recomendam:

- Lavar as mãos frequente e minuciosamente com água e sabão ou desinfetante à base de álcool e evitar o contacto próximo com pessoas doentes.

- Evitar tocar nos olhos, nariz e boca sem ter lavado as mãos.

- Tossir e espirrar num lenço de papel, atirá-lo num caixote de lixo fechado e lavar as mãos, já que isto ajudará a minimizar o risco de infeção e propagação de doenças.

- Evitar dar a mão, abraçar ou beijar ao saudar as outras personas.

- Evitar o contacto próximo com pessoas doentes.

- Manter o distanciamento social ou a distância suficiente com outras pessoas.

- Permanecer em casa se está mal. Se se tem febre, tosse e dificuldade para respirar, deve-se procurar ajuda médica e ligar para o número de telefone previsto para o efeito. Assim mesmo, devem-se seguir as instruções dos profissionais sanitários locais.

Como protejo o meu bebé do COVID-19?

O leite materno é a melhor fonte de nutrição para a maioria dos bebés, y oferece proteção contra muitas doenças.

Como salientam os CDC, existe, todavia, muito desconhecimento sobre este vírus, pelo que, caso esteja grávida ou no período de aleitamento materno, é recomendável seguir as orientações dos CDC e contactar com um profissional de saúde para qualquer dúvida específica:

- Lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou gel desinfetante à base de álcool.

- Evitar o contacto próximo com pessoas doentes (tosse e espirros).

- Limpar e desinfetar diariamente as superfícies de contacto nas zonas comuns do lar (por exemplo, mesas, cadeiras de encosto rígido, puxadores das portas, interruptores de luz, controlos remotos, pegas, secretárias, sanitas, lavatórios).

- Lavar objetos, incluindo brinquedos macios laváveis, conforme o apropriado, de acordo com as instruções do fabricante. Se possível, lave os artigos em água quente e seque-os bem.

Medela recomenda contactar um médico especialista ou especialista em aleitamento materno, se tiver dúvidas específicas.

A Medela adverte que a informação científica sobre o COVID-19 varia diariamente. Por esse motivo, a informação fornecida nesta nota de imprensa pode ser afetada por resultados de estudos científicos com outra perspetiva ou que modifiquem as afirmações recolhidas neste documento.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.