Em declarações aos jornalistas, Ana Luísa Alves, da direção deste estabelecimento de ensino, explicou que a escola não abriu “por falta de funcionários”, referindo que "dos 14 que deveriam estar a trabalhar, apenas quatro" compareceram ao serviço.

Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Ver artigo

“Temos alguns professores em greve, mas o que impediu a abertura foi a falta de funcionários” que deverão ter-se deslocado a Lisboa para participar esta tarde na manifestação nacional convocada pela Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, da CGTP, para reivindicar aumentos salariais e horário semanal de 35 horas para todos, entre outras medidas.

À entrada deste estabelecimento de ensino estavam poucos pais e alunos, uma vez que “como é hábito a escola encerrar nestas ocasiões, muitos já nem vêm, limitam-se a telefonar”, como explicou um dos poucos encarregados de educação que permanecia junto ao portão da escola.

Mariana Tomé, do sexto ano, já estava à espera de ver a escola fechada, porque “já várias pessoas tinham dito que não haveria aulas”. A aluna tinha hoje um teste de música, mas “a professora já tinha avisado que, no caso de a escola não abrir, o teste passaria para a próxima terça-feira”. “Não fico chateada porque hoje vou para Londres. Até correu bem”, acrescentou.

O seu pai disse também que já contava com o encerramento da escola, mas “na dúvida, como tinha um teste”, decidiu deslocar-se até ao estabelecimento de ensino para confirmar. “A professora tinha avisado que se a escola não encerrasse o teste seria realizado. Assim, vamos embora mais cedo e, como temos uma viagem para Londres, até calha bem”, sublinhou.

Situação idêntica numa escola ao lado

Na vizinha Escola EB 2,3 e Secundária Fontes Pereira de Melo a situação era idêntica. Embora a escola não tenha encerrada, apenas há aulas para os anos com exame, segundo contaram à Lusa os alunos do 10.º ano Sérgio Costa e Tiago Cardinal. “Vamos aproveitar para passear e a seguir vamos para casa”, acrescentaram.

De acordo com uma funcionária da “Fontes Pereira de Melo”, a escola estará aberta durante a amanhã, sendo feita “uma avaliação ao início da tarde para perceber se será necessário encerrar ou não”.

A greve de professores, que sob a forma de paralisações regionais percorreu todo o país, termina hoje, com a paralisação a afetar no quarto e último dia as escolas do norte e da região autónoma dos Açores.

Segundo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), a greve registou uma adesão média a rondar os 70%, mas o balanço final é feito hoje à tarde pelo secretário-geral da federação sindical, Mário Nogueira, numa conferência de imprensa no Porto, para a qual promete uma análise aos resultados da greve e das recentes declarações do ministro da Educação sobre a contagem do tempo de serviço congelado aos professores.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.