O diagnóstico de cancro numa criança é uma notícia que afecta tanto o núcleo familiar mais restrito, como os parentes mais afastados e outros elementos da esfera de vida da criança (ex. escolar, de lazer, religiosa). Todas as famílias reagem de forma diferente à comunicação, pelo médico, de que a criança tem cancro, podendo haver diversos estilos de comunicação e graus diferentes de abertura entre os vários elementos familiares.

Podem coexistir emoções negativas, como a tristeza e a revolta, mas também sensações mais positivas como o alívio e percepção de controlo sobre a situação (por exemplo quando se iniciam os tratamentos).

É por isso de extrema importância procurar ajuda e esclarecer todas as dúvidas com a equipa médica que acompanha a criança. Estes profissionais, melhor do que ninguém, conhecem o caso em concreto, percebem o sofrimento inerente e estão certamente dispostos e empenhados em minimizar o problema. Sentir que têm o apoio do médico dará força para superar a situação e é um primeiro passo para que os pais ganhem confiança na actuação dos profissionais que estão a cuidar do seu filho, sentindo que têm ao seu lado, mais do que um médico, “um ombro amigo” com quem podem falar abertamente sobre as suas dúvidas e o misto de emoções que se abateu sobre as suas vidas.

Conteúdo retirado do portal PIPOP (www.pipop.info), um projecto da Fundação Rui Osório de Castro (www.froc.pt)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.