Nada deve estragar a felicidade e o encanto que um novo bebé traz para qualquer casal… a não ser as muitas contas que começam a acumular devido a todos os bens materiais e cuidados especiais que um recém-nascido requer. Saiba como poupar dinheiro, mesmo com uma nova adição na família. Comece por planear as mudanças na sua vida financeira o mais rápido possível, antes de ter o seu bebé. Mesmo que não seja um bebé planeado, vá poupando ao máximo durante a gravidez...

Em primeiro lugar é preciso ter a cabeça no lugar e ser racional pois um bebé consegue muitas vezes deixar-nos cegos com tantas coisas maravilhosas que há para comprar! Assim sendo, compre apenas aquilo que é prioritário, ou seja, já há tanta coisa que vai precisar de adquirir antes do bebé nascer que torna-se desnecessário e ainda mais dispendioso comprar coisas apenas porque são giras ou porque toda a gente tem.

Peça emprestado tudo o que puder. Pense nos amigos e familiares que já tiveram filhos e cujas idades atuais já rondam os 2 ou 3 anos – são as pessoas perfeitas para pedir emprestado a banheira, a alcofa, a cadeirinha, o carrinho e até a cama. Não tenha vergonha, o mais certo é sentirem-se aliviados por “despachar” mais umas coisas lá de casa, nem que seja a curto prazo. Considere comprar tudo ou parte do que precisa em segunda mão. Desde que cumpra as normas de segurança e esteja em bom estado – o mais certo é estar, uma vez que os bebés utilizam tudo muito pouco tempo – não há qualquer problema, antes pelo contrário!

Veja agora os 8 itens essenciais que precisa de se preocupar antes do bebé nascer:

1.Fraldas

As fraldas são um gasto considerável, que se prolonga até o bebé ser desfraldado, lá pelos 2 ou 3 anos de idade.

Como economizar: Tirando a possibilidade de usar fraldas de pano e lavá-las em casa (o gasto inicial é maior, mas no longo prazo sai mais barato), a única maneira de economizar com as fraldas descartáveis é fazer muita pesquisas de preço e procurar os lugares mais baratos. Normalmente os supermercados fazem muitas promoções por isso é uma questão de estar atento e ir comprando.

2. Quem vai ficar com o bebé: creche, baby sitter ou família?!

Na hora de voltar ao trabalho há que pensar em alguém para tomar conta do bebé. Mesmo para quem não trabalha fora, muitas vezes é necessário encontrar uma ajuda com o bebé, para a mãe conseguir tratar da casa e de outras obrigações.

Como economizar: A solução mais económica é pedir a algum parente para cuidar do bebé, como por exemplo algum dos avós. Também há creches públicas bem recomendadas e que acabam por não sair muito caras. Veja no seu núcleo de amigos quais as melhores. Se a dúvida for entre ter uma baby sitter ou pagar a creche, faça bem as contas para ver o que vale mais a pena. A baby sitter pode à primeira vista parecer a solução mais cara, mas tem outras vantagens que deve considerar (como ajudar na limpeza da casa, por exemplo, ou no cuidado com outros filhos). Há famílias que conseguem dividir as despesas com uma baby sitter, juntando as crianças numa casa só. Se optar por uma creche, pesquise bem os preços e lembre-se dos gastos extras, com transporte, material, farda, lanche ou eventos como passeios e festas, por exemplo, que muitas vezes são cobrados à parte.

Uma boa ideia é, quando possível, alternar os horários de trabalho com seu parceiro ou parceira para que, pelo máximo de tempo, haja alguém com a criança, o que diminui os gastos. Verifique também se sua empresa possui algum benefício, como creche própria ou descontos em creches próximas. Empresas com mais de 30 funcionárias mulheres são por norma obrigadas a fornecer um desses benefícios.

3. Equipamento para o bebé: carrinho, cadeirinha de carro, móveis

As lojas para bebé estão cheias de produtos "indispensáveis". São fofos e parecem muito úteis, e acaba por cair na tentação de querer comprar tudo. Muitos deles, porém, duram muito pouco.

Como economizar: Compre apenas o básico (um carrinho, uma cadeirinha para o carro, um berço para dormir) e espere para comprar o resto. Veja se não há ninguém na família de quem possa "herdar" alguns itens. Na hora de comprar produtos novos, faça muita pesquisa de preço e pense também na eficiência e durabilidade.

4. Roupa

O grande problema das roupinhas é que elas não duram muito. Além de ficarem pequenas logo, as estações mudam e o tipo de roupa também. E ainda por cima são uma enorme tentação, especialmente para as grávidas que não vêem a hora de ter o bebé no colo!

Como economizar: Troquem roupas entre amigos com bebés. Para começar, no primeiro ano de vida, os bebés vestem cada peça meia dúzia de vezes se tanto, tal é a velocidade a que crescem. Em segundo lugar, a roupa de criança é bastante cara. Há sempre uma ou outra peça onde deve fazer o investimento mas até aos 10 eles crescem, em média, 1m 22cm, por isso imagine a velocidade com que as roupas irão deixar de servir! No entanto, observe bem a qualidade da roupinha no caso de ser usada e lave sempre primeiro, antes de a vestir no bebé.

5. Comida

A comida é um dos gastos inevitáveis e que duram a vida toda. Mas não é muito difícil economizar. Nos primeiros anos de vida, as crianças não comem tanto assim.

Como economizar: Sempre que possível, faça a comida em casa. Evite comprar produtos industrializados, especialmente guloseimas. Sai muito mais barato fazer um bolo em casa do que comprar bolinhos prontos no supermercado. Iogurtes, bolachas e sumos prontos pesam bastante na conta.

 

6. Brinquedos

Todas as mães querem dar o melhor aos filhos, mas há que ser racional e não comprar tudo, até para não os deixar demasiado mimados.

Como economizar: Resista à tentação de comprar todos os brinquedos e peluches que vê quando os bebés são muito pequenos, já que nessa fase não lhes dão muita importância. Quando precisar de brinquedos, concentre-se em adquirir poucos e bons; pode sempre improvisar com coisas lá de casa – colheres, tupperwares, panelas… os mais pequenos adora tudo o que pertence aos adultos!

 

7. Quarto

Embora seja importante preparar o quarto do bebé para a sua chegada, é muito fácil gastar dinheiro a mais e desnecessariamente no que toca à sua decoração. Não se esqueça que os bebés crescem num instante e, em poucos anos, provavelmente terá de renovar toda a mobília, elementos decorativos e cor das paredes.

Como economizar: Neste caso pode sempre optar pelos módulos de mobília que crescem com as crianças, tons mais neutros e não tão 'abebézados' e objetos decorativos mais clássicos.

8. Leite em pó

O leite artificial é um gasto pesado. Durante o primeiro ano de vida, o bebé chega a mamar 1 litro de leite por dia. Isso dá muitas e muitas latas de leite em pó. Lembrando que o leite comum, de vaca, só é recomendado a partir de 1 ano.

Como economizar: Amamente o bebé o máximo de tempo possível. Sempre que precisar comprar leite em pó, procure adquiri-la em embalagens maiores (primeiro tem sempre de testar se o bebé se adapta bem ao produto, para evitar desperdício). Confira os prazos de validade, e faça as contas para conferir se a embalagem maior vale mesmo a pena. Faça pesquisas de preço, pois pode variar muito. Pode-se encontrar leite em pó em farmácias, supermercados, lojas de produtos infantis e pela internet.

Uma dica muito boa é criar uma lista de nascimento. À semelhança das listas de casamento, esta também lhe permite compilar uma lista de objetos e roupas que mais precisa, facilitando assim a tarefa de quem quer presentear o recém-nascido. O baby shower é um ótimo acontecimento para divulgar essa lista e obter ajuda dos amigos e família!

Leia ainda: Sabe quais são as doenças mais comuns nos bebés?

Os bens essenciais para quem vai ter um bebé

Os presentes que todos os pais de recém nascidos gostariam de receber

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.