Segundo a Organização Mundial de Saúde, a alimentação complementar consiste no princípio de que, para além do leite materno, são oferecidos outros alimentos líquidos ou sólidos.

Qualquer alimento que contenha nutrientes ou qualquer outro líquido oferecido a um bebé amamentado define-se como um alimento complementar.
Por volta dos seis meses de idade são introduzidos alimentos semissólidos e de consistência progressivamente crescente na dieta do bebé, altura em que o aleitamento materno exclusivo deixa de ser suficiente para suprir as necessidades nutricionais necessárias, nomeadamente em energia, proteínas, ferro, zinco e algumas vitaminas.

O pediatra (ou médico assistente) tem o papel de ajudar na tarefa de identificar quais os alimentos mais indicados nos primeiros anos de vida, assim como a quantidade e a frequência adequadas às suas necessidades.

Fonte consultada: Carla Rego, Médica Pediatra

Texto: Ana Margarida Marques

Siga este e outros temas sobre parentalidade no Facebook O Nosso Bebé.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.