Filomena Cautela foi uma das personalidades que se mostrou indignada com o ataque a Nice, França. Para a apresentadora, assim como o atentado, é igualmente relevante a forma como as pessoas lidam com este género de situações.

“Pela manhã. Os atentados e o pânico, a Merkel admite finalmente que os governos europeus vão perder soberania, os senhores do PSD defendem a ida do Barroso para a Goldman, faz-se manchete dos atores vindos de reality shows e são notícia os novos blogs dos tótós”, adianta.

Mas não se fica por aqui e continua: “Alguns de nós (nem todos porque a selfie do elevador tem sempre relevância) mostramos-nos muito escandalizados com as imagens dos mortos e somos todos e je suis, mas ninguém se pergunta porquê, ninguém se indigna ou quer ver a relação que existe entre a injustiça, o ódio e o terror e as decisões que são tomadas na nossa esquina”.

Entretanto, Filomena deixa uma série de perguntas: “Deixo a pergunta: Quem eram as referências há 20 anos, os influentes, os que determinavam e marcavam comportamentos, e quem são as referências, não, quem são os agentes que influenciam consciências hoje? E a resposta verdadeira sem dose de pseudonismo é tão grave que é de chorar a rir. Bom dia e desculpem a falta de coerência”, termina no seu Instagram.

Até agora, o número de vítimas mortais é 84.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.