Frederick Ochanda, cientista da Universidade Cornell do Quénia, e a estilista Matilda Ceesay criaram uma peça de vestuário que repele os mosquitos transmissores de malária, mas sem comprometer o visual.

A peça foi criada com partículas nano de inseticidas que não se dissipam com facilidade e a fibra de tecido pode ter até três vezes mais veneno, o que a torna mais eficaz.

Segundo Frederick Ochanda, a novidade é a durabilidade da proteção, uma vez que noutras tecnologias o inseticida desaparece após seis meses.

Matilda Ceesay vai criar seis peças com o tecido desenvolvido pelo cientista. A primeira (foto) foi já apresentada na Cornell Fashion Collective: “A peça explora e moderniza as tradicionais silhuetas e tecidos africanos, unindo a força e sensualidade da mulher moderna".

O impacto desta inovação pode ser muito grande no continente africano onde a malária é uma das principais causas de mortalidade. "Espero que o meu projeto possa mostrar que é possível reunir moda e ciência e que inspire outros a continuar a melhorar a tecnologia”, remata Ceesay que já está a investigar a criação de um tecido que liberte inseticida de acordo com a variação climática e de luz.

14 de maio de 2012

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.