Os mais recentes incêndios que atingiram a região russa da Sibéria provocaram emissões de dióxido de carbono (CO2) sem precedentes, lançando gases de efeito estufa que aumentaram o aquecimento global, indicou hoje o serviço europeu Copernicus.

As conclusões têm como base observações por satélite efetuadas pelos cientistas do organismo europeu (Centro Europeu de Previsões Meteorológicas – Copernicus) que avaliaram as emissões provocadas pelos fogos no círculo Ártico em 244 megatoneladas entre janeiro e agosto.

Em 2019, os incêndios na Sibéria provocaram 181 megatoneladas de CO2.

Os estudos indicam que os valores máximos foram registados entre os passados meses de junho e agosto, na região russa.

A Sibéria está a ser atingida por incêndios de grande dimensão provocados pelo aumento das temperaturas, com o registo de mais cinco graus centígrados em relação aos valor habitual durante os meses de verão.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.