Nos dias que correm, é (praticamente) impossível escapar-lhe. «Estamos sempre sob algum stresse, o que é sinal de que estamos vivos. O problema é o stresse demasiado elevado, que tem consequências negativas, ao nível psico-fisiológico e comportamental, refletindo-se no desempenho, além de ser responsável pelo aparecimento de doenças», alerta Paulo Motta Marques, psicólogo clínico.

Como sugerem os autores do livro «Marketing Pessoal», crie um diário de tempo, e registe as tarefas atuais e o tempo que cada uma lhe consome. Este diário permite-lhe fazer a análise do dia a dia e detetar o que poderá fazer em menos tempo. No seu horário laboral, fracione o tempo em períodos de 30 minutos e coloque as tarefas que desempenhou em cada período.

Esta divisão permite-lhe perceber se está a desperdiçar tempo. É nas dificuldades do quotidiano que se desenvolve a argúcia profissional. Tony Schwarz, autor do livro «The Way We're Working Isn't Working», lembra que «muitas mulheres continuam a trabalhar mais do que os homens. Aquilo a que o sociólogo Arlie Hochschild chamou de o segundo turno.

«Todos os dias, as mulheres vêem-se a braços com tarefas familiares de difícil execução e grande responsabilidade, além de terem empregos em tempo inteiro», sublinha o especialista. Para encontrar o ponto de equilíbrio entre a vida familiar e a profissional, autor do bestseller do New York Times, considera que é prioritário as mulheres cuidarem de si e da sua imagem.

«Isto significa dormir o suficiente, ter tempo para praticar exercício e fazer atividades que adora», refere. «É difícil lembrar-se de si mesma se está sempre ocupada a tratar dos outros. Respeitar as suas necessidades irá ajudá-la a cuidar melhor daqueles que ama e serve e torna a vida mais preenchida», assegura o especialista.

O apoio da família

Teresa Correia de Lacerda, economista, confessa que a gestão do equilíbrio é um dos maiores desafios que enfrenta diariamente. «Ao nível familiar, a minha vida é muito preenchida. O segredo está em ter um verdadeiro parceiro como marido, partilhando responsabilidades e tarefas, e no envolvimento das minhas filhas nas minhas atividades profissionais», diz.

«Por exemplo, já me acompanharam a reuniões de trabalho ou a viagens ao exterior. As minhas fronteiras entre profissão e família são muito flexíveis e adaptam-se face às necessidades. Mas a prioridade é e sempre foi a família», assegura.

Veja na página seguinte: Os conselhos de um psicólogo clínico

Aprenda a gerir a pressão

Estes são, segundo Paulo Motta Marques, psicólogo clínico, os comportamentos que deve adotar no seu quotidiano laboral:

- Fale mais sobre o que sente do que sobre o que pensa

- Não se isole

- Reserve tempo para si, para fazer atividades de que gosta ou não fazer nada

- Desenvolva uma atitude positiva

- Seja realista. Sob stresse tende-se a dramatizar e a sobrevalorizar as situações, alterando a perceção de si própria e dos outros

Texto: Fátima Lopes Cardoso com Olivier Röhrich (professor na área da liderança e programação neurolinguística), Paulo Motta Marques (psicólogo clínico e professor em psicologia das organizações) e Teresa Correia de Lacerda (economista)