“A greve terá atingido uma média na ordem dos 70%, ligeiramente acima do que já se verificou ontem [terça-feira] e, pensamos nós, com tendência para poder ainda subir nos próximos dias”, afirmou o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira.

O dirigente da Fenprof fez o balanço da greve dos professores nos distritos de Évora, Beja, Portalegre e Faro durante uma conferência de imprensa na Escola Secundária Severim Faria, em Évora.

Mário Nogueira referiu que esta manhã já tinha constatado que havia “um aumento” da adesão à greve em comparação com a de terça-feira, assinalando que, no primeiro dia de paralisação, ainda existiam dúvidas entre os docentes.

Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Como são os almoços nas escolas no resto do mundo?
Ver artigo

Os professores “já perceberam melhor” o que está em causa, porque “houve mais algum tempo para fazer esse esclarecimento”, realçou, considerando que a greve de quinta-feira “ainda terá melhores resultados”.

O sindicalista disse que, neste dia de greve, muitas escolas de primeiro ciclo e do pré-escolar, as que têm menos professores, registaram adesões de 100%, indicando que nas escolas secundárias e básicas há “uma média de 70%”.

Sobre os motivos da greve, Mário Nogueira considerou “inaceitável” que “70% do tempo de serviço” dos professores seja “para apagar”, salientando que está a ser “revertido o tempo de serviço congelado” dos docentes da Madeira e dos Açores, assim como na administração pública.

“O Governo tem de perceber que não pode discriminar os professores e tratá-los como trabalhadores de segunda”, insistiu, lembrando que, caso não haja cedências, está em cima da mesa “uma grande manifestação no início do terceiro período”.

O secretário-geral da Fenprof manifestou disponibilidade para, entre outras questões, “negociar os ritmos de reposição do tempo, os prazos dessa recuperação, a forma de o fazer e as prioridades que possam existir”.

“Há uma coisa para a qual nós estamos absolutamente indisponíveis que é abrir mão do tempo que as pessoas trabalharam”, acrescentou.

A greve foi convocada pelas dez estruturas sindicais de professores que assinaram a declaração de compromisso com o Governo, entre as quais as duas federações - Federação Nacional de Educação (FNE) e Fenprof - e oito organizações mais pequenas.

A greve arrancou na terça-feira nos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira, concentrou-se hoje na região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro) e na quinta-feira abrangerá a região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco).

A paralisação termina na sexta-feira na região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.