Defensores e opositores do direito ao aborto entraram em confronto em frente à clínica Jackson Women’s Health Organization, que até agora realizava esse procedimento.

Apelidado de casa rosa pela cor da sua fachada, a clínica fez os seus últimos abortos na quarta-feira e recebeu as suas últimas pacientes nesta quinta para consultas de acompanhamento.

Exibindo grandes cartazes com mensagens como “Ame a Deus com todo seu coração, alma, forças e espírito”, dezenas de opositores ao aborto receberam as pacientes com orações e música.

Do outro lado, ativistas a favor do acesso ao aborto respondiam com cartazes com referências à alta taxa de mortalidade materna no estado: “Por que se interessam mais pelas vidas hipotéticas que pelas reais?”

Cheryl Hamlin, uma das médicas que trabalham na clínica, criticou os opositores, acusando-os de não “respeitar os direitos das mulheres”.

A casa rosa foi durante anos a única clínica a realizar abortos neste estado do sul, muito conservador e religioso.

Em 24 de junho, o Supremo Tribunal revogou a sua histórica sentença Roe v. Wade, de 1973, que garantia o direito das mulheres a interromper a sua gestação em todo o país.

Antecipando-se a essa medida, 13 estados americanos já tinham aprovado leis para proibir automaticamente o aborto nos seus territórios assim que saísse a decisão do mais alto tribunal.

Foi uma dessas leis, chamadas de “zumbi” ou “gatilho”, que entrou em vigor esta quinta-feira no Mississipi. Aprovada em 2007, prevê até 10 anos de prisão para quem pratica um aborto.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.