Um estudo da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) demonstra que 70
por cento das mulheres portuguesas desconhecem os sintomas do cancro do
ovário, uma patologia que representa a sétima causa de morte mais
frequente no sexo feminino.

A investigação, a que a Lusa teve hoje
acesso, envolveu 1.200 inquéritos a mulheres adultas e evidenciou que
há ainda um grande desconhecimento sobre o cancro do ovário: 63 por
cento das inquiridas revelou não saber se, após um primeiro tratamento, é
habitual o cancro voltar a aparecer, 46 por cento disse desconhecer se o
tumor é fácil de diagnosticar e 48 por cento não soube dar opinião
relativamente à eficácia dos tratamentos disponíveis.

O estudo vai
ser apresentado no decorrer do 1.º Curso Avançado de Ginecologia
Oncológica, que se realiza na sexta-feira e no sábado no Instituto
Português de Oncologia do Porto, com o objetivo de discutir as melhores
práticas na abordagem desta patologia.

Em Portugal, todos os anos
são diagnosticados mais de 350 novos casos de cancro do ovário, uma
patologia oncológica silenciosa com uma elevada taxa de mortalidade, na
ordem dos 70 por cento, devido ao diagnóstico da doença em fase
avançada.

“Infelizmente, os métodos de rastreio atualmente
existentes não são totalmente eficazes para este tipo de neoplasia, ao
contrário do cancro da mama ou do cancro do colo do útero”, explicou
Deolinda Pereira, diretora do Hospital de Dia do IPO/Porto.

O
IPO-Porto, “recebe anualmente mais de 60 novas mulheres com cancro do
ovário”, sublinhou a oncologista, considerando, por isso, que todas as
formações que se possam realizar entre profissionais, bem como a troca
de experiências com centro internacionais, “são fundamentais para
contribuir para um melhor conhecimento da doença e diminuição da elevada
taxa de mortalidade causada por esta patologia”.

A especialista
frisou a importância da deteção precoce da doença, a qual depende de
visitas regulares ao ginecologista, em especial por parte das mulheres
mais velhas.

No 1.º Curso Avançado de Ginecologia Oncológica sobre
Cancro do Ovário será também apresentado o primeiro Grupo Português de
Estudo do Cancro do Ovário (GPECO).

Este grupo de estudos terá um
caráter multidisciplinar e acolherá profissionais de saúde de todas as
especialidades envolvidas no diagnóstico e tratamento do cancro do
ovário: ginecologia oncológica, oncologia médica, anatomopatologia,
imagiologia, radioterapia, genética, psico-oncologia e enfermagem, entre
outros.

O núcleo científico foi formado com o objetivo de
dinamizar estudos de âmbito nacional sobre o cancro do ovário, promover a
representação dos especialistas portugueses em estudos internacionais e
a participação de centros estrangeiros em projetos de investigação a
decorrer no nosso país, promovendo o intercâmbio de conhecimento com
outros grupos internacionais congéneres, nomeadamente o GEICO (grupo
espanhol de investigação no cancro do ovário).

 Lusa

2012-06-21

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.