Fátima Monteiro falava a propósito da greve de duas horas que os enfermeiros daquele hospital do Porto realizaram hoje, entre as 11:30 e as 13:30, para protestar contra “as precárias condições de trabalho, que têm vindo a agravar-se”.

Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Ver artigo

“Fomos recebidos pelo conselho de administração, que corrobora as nossas preocupações. Quisemos saber qual a estratégia para 01 de julho, face ao volume de horas existentes em débito aos enfermeiros e que vão aumentar exponencialmente se não houver contratualização”, disse a dirigente do sindicato.

Segundo Fátima Monteiro, a administração do “São João” disse que “compreende que não pode pedir mais aos enfermeiros, compreende que já estão nos seus limites, compreende que a taxa de absentismo advém das condições de trabalho, mas diz que por parte da tutela não tem havido preocupação em contratualizar enfermeiros, não autorizando os que já deviam estar a ser contratualizados para 01 de julho estarem a trabalhar”.

Fátima Monteiro disse ainda que a administração do hospital admitiu que “dado o panorama que se vive na desregulação dos horários dos enfermeiros será estudada uma via que passará pela redução ou encerramento de camas e cirurgias a partir dessa data”.

“O sindicato é contra a redução de camas e de cirurgia e continua a responsabilizar o Ministério da Saúde e o Governo por estas opções políticas que destroem progressivamente o SNS. Até nos interrogamos a quem serve esta política, quais são os interesses que poderão estar por trás, porque é inaceitável o que se está a passar na maioria das instituições hospitalares do Serviço Nacional de Saúde”, acrescentou Fátima Monteiro.

A Lusa contactou a administração do Centro Hospitalar de São João que se escusou a prestar qualquer esclarecimento sobre a greve hoje realizada.

Segundo a coordenadora do Norte do SEP está já agendada para o próximo dia 30 uma greve de um dia na Unidade Local de Saúde de Matosinhos, pelos mesmos motivos.

“Este é um problema que não afeta só o “São João”. Gaia se calhar ainda está pior e a mesmo situação verifica-se no Santo Antonio. É uma situação preocupante, não só pela segurança dos profissionais, mas também pela qualidade dos cuidados que prestam e pela quantidade de serviços que a população vai ver reduzida”, frisou.

No Hospital de São João, segundo o SEP, “as horas em dívida acumulam-se e já são cerca de 60 mil” e “a carga horária semanal aumenta a cada semana, impedindo que os enfermeiros gozem os períodos de descanso a que têm direito”.

“Igualmente, não são cumpridas as horas de descanso entre turnos. E o recurso a turnos de 12 horas, ilegais, passou a ser a regra da vida de trabalho destes profissionais”, assinala o sindicato para quem “o Ministério da Saúde/Governo são responsáveis pelas ilegalidades que estão a ser praticadas e ainda, pelas condições de trabalho dos enfermeiros potenciadoras de causar o aparecimento de sinais e sintomas de doença nestes profissionais”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.