"A direção clínica e o conselho de administração afirmam que a segurança dos doentes está garantida, com esta escala de urgência apresentada, com dois cirurgiões de serviço. Como sempre foi prática neste hospital", lê-se num esclarecimento enviado pela maior unidade de saúde dos Açores, em resposta a questões da agência Lusa.

Segundo a administração do Hospital do Divino Espírito Santo (HDES), a escala de urgência apresentada é uma "situação que se tem verificado muitas vezes ao fim de semana, em que um cirurgião está em presença física e outro em prevenção".

Na nota, a direção clínica e o conselho de administração reafirmam ainda que as escalas "estão asseguradas até ao dia 07 de dezembro", acrescentando que foi esta a informação "transmitida ao presidente do Governo Regional dos Açores".

O conselho de administração refere também ter sido surpreendido por "uma conferência de imprensa (mais uma) da Ordem dos Médicos" nos Açores, lamentando a situação, que "pode contribuir para lançar o alarme social na população", depois de já ter sido iniciada uma "jornada de diálogo" encetada pelo presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, com os representantes sindicais dos médicos.

A administração salienta igualmente que foi respeitado o “protocolo negocial” que decorre entre o Governo Regional e os sindicatos médicos, "no estabelecimento de pontes que possam contribuir para a resolução deste diferendo".

A direção clínica e o conselho de administração do HDES indicam ainda que se mantêm "totalmente disponíveis e abertos ao diálogo" com todos os diretores de serviço e "comprometidos em ultrapassar" a situação, que "infelizmente, também acontece noutros hospitais, de todo o país".

"Estamos solidários com as reivindicações de melhores condições para todos os que fazem o SRS [Serviço Regional de Saúde], mas cientes de que existimos para o cidadão açoriano. E para melhor servir aqueles que necessitam, que são os doentes", escrevem.

Quanto às declarações da diretora do serviço de cirurgia geral do HDES, Maria Inês Leite, que apresentou a demissão na quinta-feira, o conselho de administração do Hospital de Ponta Delgada esclarece que o diretor clínico reuniu com a responsável "inúmeras vezes" e "sempre mostrou a maior abertura de colaboração".

Já depois de ter sido enviado este esclarecimento à Lusa pela unidade de saúde, o Governo Regional anunciou que a presidente da administração do Hospital do Divino Espírito Santo apresentou hoje o pedido de demissão, que foi aceite pelo presidente do Governo dos Açores.

Também hoje, 21 dos 25 diretores dos serviços do Hospital de Ponta Delgada demitiram-se, segundo disse à Lusa o médico Emanuel Dias, considerando que o presidente do Governo Regional foi “enganado” pela administração sobre as escalas.

De acordo com Emanuel Dias, porta-voz dos diretores de serviços clínicos demissionários, a escala de serviço do Hospital do Divino Espírito Santo (HDES) “não está preenchida e quem está a preenche-la é o atual conselho de administração, que não o tem conseguido”.

Emanuel Dias afirmou que “aquilo que o presidente do Governo dos Açores disse foi falso”, considerando que “foi enganado pelo conselho de administração, porque as escalas não estão completas”.

Na quinta-feira, a responsável nos Açores da Ordem dos Médicos, Margarida Moura, denunciou a falta de condições de assistência aos doentes no Hospital de Ponta Delgada, nomeadamente na cirurgia geral, cuja diretora de serviço apresentou a demissão.

Médicos dos três hospitais públicos da região (Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Horta) manifestaram, num abaixo-assinado enviado ao presidente do Governo Regional, José Manuel Bolieiro, ao vice-presidente do executivo, Artur Lima, e ao secretário regional da Saúde e Desporto, Clélio Meneses, a sua indisponibilidade para realizar horas extraordinárias para além do limite legal das 150 horas, o que poderá colocar em causa o serviço de urgência já em dezembro.

Em causa estão declarações do vice-presidente do Governo dos Açores, que já afirmou que não teve “intenção de ofender os médicos” quando falou sobre o trabalho extraordinário, após ter sido criticado por PAN, BE e PS no parlamento regional.

Na quarta-feira, o presidente do Governo dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM) confirmou a demissão dos 10 chefes do serviço de urgência do hospital de Ponta Delgada, mas garantiu que “as escalas de urgências dos três hospitais” estão asseguradas na próxima semana.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.