A quarta reunião da Comissão Técnica de La Valetta, no âmbito do acordo de cooperação que junta 10 países, e que vai ser alargado para 11, com a entrada da Croácia, está a decorrer em Lisboa e conta com a participação dos ministros da Saúde português, Adalberto Campos Fernandes, espanhola, Dolors Montserrat, grego, Andreas Xanthos, e dos secretários de Estado da Roménia, Octavian Alexandrescu, e da Croácia, Željko Plazonić.

Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Ver artigo

Este grupo envolve 10 países europeus com cerca de 160 milhões de europeus e visa “criar mecanismos permanentes de trabalho” ao nível técnico e político para refletir sobre medidas que visem “melhorar o acesso à inovação terapêutica”, à sua compatibilização com a sustentabilidade dos sistemas de saúde na Europa e outras medidas como a agregação de contas e a questão regulatória e de avaliação, disse à agência Lusa Adalberto Campos Fernandes.

O ministro da Saúde adiantou que os países europeus “estão hoje confrontados com uma transição demográfica que representa um problema estratégico de enorme dimensão” e a sustentabilidade dos seus “sistemas de saúde está muito relacionada com a possibilidade de aceder e poder pagar a inovação terapêutica disruptiva e de qualidade que, entretanto, vai sendo posta ao dispor dos cidadãos”.

Este grupo permite contribuir para “pensar estrategicamente os sistemas de saúde na dimensão de acesso à inovação terapêutica, de equidade, de equilíbrio e de sustentabilidade”, disse Adalberto Campos Fernandes.

Os países têm temas de saúde e políticas diferentes, mas em matéria de acesso ao medicamento e inovação terapêutica “as necessidades são equivalentes e permitem construir uma agenda comum”, adiantou.

“A Europa no domínio da saúde ainda é muito desigual e em áreas tão sensíveis como, por exemplo, as doenças raras, nas terapêuticas inovadoras na área oncológica e no VIH-Sida ainda existem muitas diferenças quer nas condições de acesso quer nas condições de aquisição”, sublinhou.

Para o ministro, importa que os países tenham primeiro um diálogo entre si e depois um diálogo qualificado com os principais parceiros, nomeadamente a indústria inovadora que tem “um papel determinante”.

“É esse diálogo que queremos aprofundar e que passe a ser permanente e não tanto apenas ao nível nacional, mas também ao nível partilhado pela direção dos países, como é o caso do grupo de La Valleta”, acrescentou.

A reunião hoje precede um outro encontro que terá lugar em Atenas, na Grécia, em julho, onde serão avançadas propostas concretas nestes domínios, disse o Adalberto Campos Fernandes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.