O número de idosos por cada 100 jovens nos Açores passou de 60 para 84, entre 2001 e 2016, no entanto, o índice de envelhecimento em Portugal é de 149.

São Miguel é a ilha menos envelhecida, com 65 idosos por 100 jovens, enquanto a ilha das Flores, no extremo oposto, com 151, é a única acima da média nacional.

15 coisas que nos tiram anos de vida
15 coisas que nos tiram anos de vida
Ver artigo

Todas as ilhas, à exceção do Corvo, registaram um crescimento do índice de envelhecimento e, excluindo São Miguel e Santa Maria, todas têm mais idosos do que jovens.

Os dados integram a publicação “Retrato dos Açores”, apresentada hoje, em Ponta Delgada, pelo Pordata, projeto da Fundação Francisco Manuel dos Santos, para assinalar o Dia de Portugal, que se comemora no domingo.

Aumento da esperança média de vida à nascença

Os dados são divididos pelas nove ilhas e pelos 19 municípios dos Açores, sendo apresentados em 13 áreas: população; habitação e condições de vida, educação; saúde; cultura; empresas, pessoal e produto; emprego e mercado de trabalho; proteção social; finanças autárquicas; ciência e sociedade de informação; participação eleitoral; ambiente, energia e território; e turismo.

A esperança média de vida à nascença dos açorianos registou um crescimento de 3,7 anos, entre 2001 e 2015, situando-se nos 77,3 anos, mas manteve-se abaixo da média nacional (80,6 anos), que aumentou mais no mesmo período de tempo (3,9 anos).

10 alimentos que lhe devolvem anos de vida
10 alimentos que lhe devolvem anos de vida
Ver artigo

Em 2016, contavam-se 245.525 habitantes nos Açores, concentrando-se mais de metade na ilha de São Miguel, cerca de 138 mil.

São Miguel, a maior ilha do arquipélago, tinha 148 vezes mais residentes do que a ilha mais pequena, o Corvo, com 460.

Segundo os dados recolhidos pelo projeto Pordata, em 1960 os casamentos não católicos nos Açores não ultrapassavam os 10%, mas em 2017 a percentagem de casamentos fora da igreja atingia os 70%, superando os números nacionais (66%).

O poder de compra no arquipélago, em 2015, era inferior em cerca de 15% ao do país, enquanto a taxa de inflação, em 2017, era superior em cerca de 0,5 pontos percentuais.

Nos Açores, sete em cada 10 pessoas não completou o ensino secundário e a taxa de abandono escolar (28%) é mais do dobro do que a verificada no país (13%).

Por outro lado, a percentagem de pessoas com ensino superior quadruplicou entre 1998 e 2017, situando-se nos 13%, inferior em quatro pontos percentuais à média nacional.

O Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos Açores (15.995 euros) era, em 2016, inferior ao nacional (17.934 euros) e, exceto Faial e Corvo, todas as ilhas importavam mais do que exportavam.

O setor terciário assume um peso maior no arquipélago (74%), em comparação com o todo nacional (69%), bem como o setor primário, em que a diferença é de 11 para 6%.

Este homem diz ter 145 anos de vida
Este homem diz ter 145 anos de vida
Ver artigo

Em 2017, a taxa de desemprego era igual à do país (9%), mas o número de beneficiários de subsídio de desemprego, que aumentou em todas as ilhas, exceto no Corvo, era superior, atingindo os 5,1%, quando a média nacional era de 3,4%.

Já o número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção diminuiu em todas as ilhas, à exceção de São Miguel, entre 2009 e 2017, mantendo-se ainda assim acima da média do país, com uma diferença de 11,6 para 3,2%.

Em 2016, os Açores tinham 179 estabelecimentos hoteleiros, mais do dobro dos existentes em 2009, com o Pico a registar o maior aumento, de quatro para 23.

As receitas totais das dormidas por hóspede, nesse ano, foram, no entanto, inferiores à média nacional (106,6 euros), exceto na ilha de São Miguel (113,8 euros).

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.