María Angélica de Carvalho Sobrinho, de 53 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada na Bahia, no nordeste brasileiro, e recebeu a dose inicial do imunizante chinês Coronavac em 19 de janeiro, mas contraiu a doença três dias antes da segunda aplicação, marcada para 16 de fevereiro.

Segundo explicou a infeciologista Ceuci Nunes, diretora do hospital Couto Maia, onde a enfermeira está internada, o caso não é "algo excecional", já que as vacinas geralmente oferecem "maior proteção cerca de 20 dias após a segunda dose".

“Três dias antes da segunda dose, ela estava com mal-estar e febre e resolvemos interná-la para observá-la mais de perto, porque precisava de oxigénio”, disse a especialista numa mensagem de áudio divulgada pelo governo da Bahia.

Ceuci Nunes afirmou que o quadro de saúde da profissional é estável e que a manifestação da doença também não é um efeito adverso do imunizante.

“Não tem nada a ver com uma reação adversa da vacina. Ela ainda não estava protegida porque só a primeira dose não protege. Acabou por contrair o vírus e desenvolver a doença”, explicou.

A especialista acrescentou que a eficácia dos antídotos é "cientificamente comprovada" na prevenção de casos graves de covid-19, mas a comunidade médica ainda não sabe se são capazes de prevenir as manifestações mais leves.

“As vacinas protegem muito bem contra os casos graves e reduzem as hospitalizações, mas ainda não sabemos se são capazes de reduzir as infeções. Ou seja, posso ser vacinado, infetar-me, não adoecer e ainda transmitir o vírus”, frisou Ceuci Nunes.

Com cerca de 212 milhões de habitantes, o Brasil é um dos países mais afetados pela pandemia do novo coronavírus e já acumula mais de 247 mil mortes e quase 10,2 milhões de infetados.

O país iniciou a sua campanha nacional de vacinação em 17 de janeiro, com cerca de 12 milhões de doses, mas teve que interromper a imunização em algumas cidades devido à falta de novos antídotos.

O Ministério da Saúde receberá hoje 1,2 milhões de novas doses da vacina chinesa Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, e outros 2 milhões da fórmula da farmacêutica AstraZeneca, provenientes do Instituto de Serum da Índia.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.474.437 mortos no mundo, resultantes de mais de 111 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.