Presente pela primeira vez na cimeira tecnológica, que regressou este ano a um modelo presencial a Lisboa, o responsável da extinta ‘task force’ atraiu mais de uma centena de curiosos para a sua sessão e confessou-se algo “cansado” dos elogios pelo seu trabalho, que recusou ser obra de apenas “um homem”, partilhando os louros do processo com a “comunidade”.

“Penso que o aspeto mais difícil foi comunicar para ter toda a gente alinhada [com o processo de vacinação]. Usei uma retórica de guerra em que o vírus era o inimigo, em que ou a pessoa estava connosco ou com o vírus. Penso que este plano de comunicação foi importante para as pessoas perceberem que não podiam ficar em casa sem vacinação”, frisou, sublinhando: “Isto é uma guerra com um vírus mortífero e não se pode ser neutral com um vírus”.

Entre as muitas perguntas da audiência, tanto de portugueses como de estrangeiros, o antigo coordenador da ‘task force’ foi confrontado com a proliferação de grupos antivacinas na sociedade e o seu impacto em termos mediáticos. A este nível, Gouveia e Melo considerou os disseminadores de propaganda antivacinação como “falsos profetas” das redes sociais.

“A desinformação é sempre má, espalham-se mentiras ou dados não provados nas redes sociais e criam-se bolhas de obscurantismo. Estas situações afetam as soluções na gestão de uma pandemia”, observou o anterior responsável pela ‘task force’, que revelou estar a escrever um livro sobre a sua experiência à frente do processo.

Segundo Gouveia e Melo, a experiência de coordenação do plano de vacinação contra a covid-19 foi equiparada a “uma campanha militar”, na qual “o vírus era o inimigo de todos”. Questionado sobre as razões do seu sucesso na missão de coordenação, o vice-almirante foi direto na resposta: “Porque não sou um político”.

Paralelamente, defendeu que as alterações climáticas poderão tornar pandemias como a da covid-19 “mais comuns e espalhadas pelo globo”. Entre os fatores decisivos para uma resposta efetiva, Gouveia e Melo destacou a “tecnologia” e a “coordenação”, valorizando esta última como essencial para melhorar a resposta a uma escala mundial e não somente nacional.

“Vacinámos 86% e continuamos a vacinar, mas não é muito ético, porque cada ser humano é importante. De um ponto de vista estratégico, isto também não é bom, porque podemos ganhar esta batalha aqui e perder a guerra, sofrendo depois um efeito ‘boomerang’. Temos de aprender a detetar e a reagir muito rapidamente, sem esconder nada”, notou.

Por fim, o vice-almirante não excluiu um hipotético regresso às funções de coordenação do processo de vacinação pela sua condição de militar: “Direi que sim até sair deste uniforme. Obedecerei ao governo, é a minha condição de militar. Faço-o e não há questão, é a minha forma de ver as coisas”.

A Web Summit decorre entre 01 e 04 de novembro em Lisboa, em modo presencial, depois de a última edição ter sido ‘online’ e a organização espera cerca de 40 mil participantes, segundo revelou, em setembro, Paddy Cosgrave, presidente executivo da cimeira.

A comediante Amy Poehler, o presidente da Microsoft Brad Smith, a comissária europeia Margrethe Vestager e o jogador de futebol Gerard Pique irão juntar-se aos mais de 1.000 oradores, às cerca de 1.250 ‘startups’, 1.500 jornalistas e mais de 700 investidores, numa cimeira na qual serão discutidos temas como tecnologia e sociedade, entre outros, de acordo com a organização.

Apesar do número previsto de visitantes ser este ano cerca de menos 30 mil do que na última edição presencial, em 2019, as autoridades consideram que se trata do “maior evento de 2021” a ter lugar em Lisboa.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.