Em declarações à Lusa, Tamara Milagre, presidente da EVITA - Associação de Apoio a Portadores de Alterações nos Genes Relacionados com Cancro Hereditário, lembra que o cancro hereditário representa 10% de todos os cancros e sublinha a necessidade de discriminar os casos de origem hereditária dos de origem esporádica, para definir uma estratégia de combate, lembrando que esta discriminação não acontece no Registo Oncológico Nacional (RON).

“Para já, são números de 2019 [os que foram divulgados este fim de semana]. No Globocan já há números de 2020, com 70.000 casos por ano, 7.000 de cancro da mama, por exemplo”, afirma Tamara Milagre, insistindo na necessidade de distinguir os casos de origem hereditária.

Comentando os dados do RON 2019, que apontam para 57.878 novos casos de cancro e 28.464 óbitos, Tamara Milagre insiste: “uma coisa que se destacou foi que aumentaram os cancros nas mulheres em idade reprodutiva”.

“Será que o cancro hereditário está a ganhar mais peso porque estamos a subidentificar portadores de alterações nos genes relacionados com o cancro hereditário? Eu acredito que sim”, afirmou.

Segundo os dados do RON 2019, os novos casos de cancro aumentaram quase 20% relativamente a 2010. Os homens continuam a ter uma taxa de incidência superior às mulheres, um facto que se verifica para todos os grupos etários, à exceção das mulheres em idade fértil.

“O hereditário está lá, mas não está identificado. E qualquer argumentação para um financiador ou para um decisor sobre se este cancro é ou não muito caro e sobre o impacto socioeconómico, só posso falar se souber quantas pessoas são afetadas”, acrescentou a responsável.

A este respeito, a EVITA vai em breve iniciar um projeto de investigação (“HBOC-EFFECT”), em parceria com o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), o Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, a Nova Medical School (NMS) e a Nova School of Business and Economics (Nova SBE), precisamente para apurar a carga socioeconómica do cancro da mama e ovário hereditário.

A associação tem defendido a necessidade de uma “estratégia inovadora” que consiga ter um impacto significativo na diminuição da incidência e das mortes precoces pelas síndromes que envolvem os cancros mais frequentes e os mais letais em Portugal e na Europa: mama, próstata, colorretal, estômago, tiroide, pâncreas, útero, ovário e melanoma, entre outros.

A cancro hereditário representa 10% de todos os cancros e resulta de mutações genéticas germinativas, herdadas de forma autossómica dominante, o que significa que “todos os familiares de primeiro grau de um portador de mutação genética têm 50% de probabilidade de também o serem”, refere a EVITA, sublinhando que estas mutações “são facilmente detetadas através de um teste genético”.

Tamara Milagre lembra que este cancro acontece tipicamente em idade precoce, muito antes de qualquer rastreio populacional, e soma vários casos de cancro na mesma linhagem familiar, sublinhando que a mutação apenas costuma ser identificada quando a pessoa já foi diagnosticada.

“Só nessa altura é que os restantes familiares podem ser aconselhados a fazer o teste genético e prevenir a doença”, sublinha a responsável, insistindo que, apesar de apresentar o maior potencial de prevenção/diagnóstico precoce, este cancro continua com “taxas inaceitáveis” de diagnósticos tardios.

Para a EVITA, que vai ser recebida na quarta-feira na Assembleia da República pelos deputados da Comissão de Saúde, é essencial também a criação do Dia Nacional do Cancro Hereditário, para dar mais destaque e estimular o debate sobre este cancro. O dia escolhido é o 23 de maio, dia do falecimento de Aldred Scott Warthin, um patologista americano cuja pesquisa lançou as bases para a compreensão da hereditariedade de certos tipos de cancro e que é considerado "o verdadeiro pai da genética".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.