“Há um ano, celebrámos um marco monumental quando a região africana foi certificada como livre de poliomielite selvagem. Este feito só foi possível devido a décadas de trabalho de homens e mulheres corajosos”, disse a diretora regional da OMS para África, Matshidiso Moeti, numa conferência de imprensa virtual.

“Mas não podemos desistir. Com vigor renovado podemos ultrapassar os últimos obstáculos que ameaçam o nosso sucesso”, disse Moeti.

Segundo a responsável, desde 2018, 23 países africanos sofreram surtos de poliomielite derivada da vacina, os tipos que têm origem porque a vacina oral contra a poliomielite (VOP) contém um vírus vacinal atenuado que pode sofrer alterações genéticas que lhe conferem a capacidade de causar paralisia.

Estes surtos são muito raros, de acordo com a OMS, e ocorrem apenas em locais com populações pouco imunizadas e saneamento deficiente, uma vez que os restos da vacina administrada oralmente permanecem presentes em secreções e o vírus sofre mutações, apesar de estar muito enfraquecido.

O principal instrumento na luta contra o vírus é, portanto, assegurar que toda a população seja imunizada contra o vírus.

No entanto, as campanhas de vacinação contra a poliomielite foram afetadas pela pandemia de covid-19 durante o último ano e meio.

Neste contexto, a OMS realizou esta semana a 71.ª sessão do seu Comité Regional para África, um organismo multilateral no qual também participam representantes governamentais para avaliar e planear estratégias de saúde continentais.

Coincidindo com o primeiro aniversário da certificação como região livre de poliomielite selvagem, os países africanos reafirmaram a sua intenção de manter os esforços para erradicar o vírus em todas as suas formas.

“Como presidente da União Africana, estou pronto a trabalhar com os outros países para proteger os ganhos dos nossos esforços monumentais contra a poliomielite e terminar o trabalho de acabar com todas as formas da doença em África”, disse o Presidente da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, na reunião da comissão, de acordo com uma declaração divulgada pela OMS.

“Só então poderemos dizer que cumprimos a nossa promessa de um futuro mais seguro e saudável para todas as nossas crianças”, acrescentou Tshisekedi.

Entre os princípios abordados durante a sessão para alcançar este objetivo estão tanto campanhas de vacinação alargadas como sistemas melhorados de vigilância sanitária.

A poliomielite é uma doença infecciosa que afeta principalmente crianças com menos de 05 anos e não tem cura.

Os seus sintomas incluem febre, fadiga, vómitos e dores de cabeça, e em alguns casos pode causar paralisia dos membros.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.