Trata-se de um exercício isométrico e hipopressivo simples de executar, que promove o reforço da musculatura abdominal, melhora a postura e ajuda a queimar calorias.

Para quem não sabe como se faz uma prancha, o movimento é na verdade bastante simples. Executa-se de barriga para baixo colocando os cotovelos no chão e apoiando o peso do corpo nos antebraços e pontas dos pés. O corpo fica paralelo ao chão, como uma tábua ou prancha, daí o nome da actividade.

A acção da gravidade em conjunto com o peso corporal faz com que seja preciso contrair os músculos abdominais para manter o corpo fixo na posição horizontal. Para que seja bem executado, o principal esforço deve provir primeiramente da zona da musculatura abdominal, seguido da região lombar e pélvica.

Mas uma prancha executada de forma correta não só promove o reforço dos músculos do abdómen, como fortalece os braços, ombros, peito e pernas. Alguns especialistas defendem ainda que quem pratica esta actividade regulamente, melhora significativamente a postura, o equilíbrio e a flexibilidade. Há quem ainda defenda que previne dores nas costas, dado o apoio que o abdómen desenvolvido fornece à coluna. A nível de perda de peso, o aumento de metabolismo resultante de repetições de 10 segundos a um minuto de prancha irão garantir uma taxa metabólica elevada, estimulando a queima de calorias.

Apesar do seu potencial transformador a nível muscular, os especialistas dividem-se em relação aos benefícios da prancha, principalmente no que diz respeito ao volume, intensidade e duração do exercício. É o caso de Stuart McGill, um professor de Biomecânica do Desporto na Universidade de Waterloo. Segundo o especialista, bastam sequências de 10 segundos bem executadas para que os efeitos se façam sentir.

Períodos de esforço acima desse tempo terão efeitos mais prejudiciais do que benéficos. A explicação é elementar: ao tentar manter-se demasiado tempo em prancha é natural que acabe por adoptar uma postura incorrecta, procurando compensar o esforço com a ajuda dos braços peito e pernas. A posição deixa de ser isométrica, aumentando o risco de lesões.

O exercício poderá ser particularmente prejudicial para quem não pratica desporto de forma regular, ou tenha problemas de ligamentos. Isto porque quando realizada incorrectamente, a prancha pode exercer demasiada pressão nas cartilagens costocondrais e inflamar as articulações. Quando mal executado, o exercício poderá ainda provocar problemas intestinais, dores na coluna e inchaço abdominal.

Em resumo, a prancha traz diversos benefícios para a saúde quando realizada de acordo com as recomendações dos profissionais. Mas se quer manter prancha na sua rotina diária e evitar lesões, certifique-se que mantém a postura correta optando por repetições curtas com descansos intervalados.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.