Como se transmite?

A doença é principalmente transmitida pela picada do mosquito Aedes infetado com o vírus Zika. Este mosquito também pode ser transmissor de outros vírus causadores de doença (ex: Febre Amarela, Dengue e Chikungunya). O mosquito do género Culex também pode transmitir a doença.

Os mosquitos que transmitem o vírus Zika normalmente depositam os seus ovos em locais com água estagnada ou próximo desta (ex: baldes, bacias, potes e vasos de flores). Estes mosquitos são mais ativos durante o dia, contudo também podem picar durante a noite.

A importância da consulta do viajante: os conselhos de uma médica
A importância da consulta do viajante: os conselhos de uma médica
Ver artigo

No entanto, existem outras formas de transmissão:

- Transmissão Materno-fetal: durante a gestação, a grávida pode transmitir o vírus Zika ao feto. O vírus pode causar um defeito de nascença grave chamado microcefalia que leva ao desenvolvimento incompleto do cérebro da criança;

- Transmissão sexual: o vírus Zika pode ser transmitido por via sexual, mesmo que a pessoa infetada não apresente sintomas. Para a prevenção da infeção sexual, os viajantes devem adoptar relações sexuais protegidas até ao final da gravidez com preservativo ou abstinência sexual após o regresso de área afetada: o Homem (com ou sem sintomas) durante 3 meses e a mulher (com ou sem sintomas) durante 3 meses.

- Transfusão de sangue e derivados: existem fortes evidências que o vírus Zika seja transmitido por transfusão de sangue e derivados.

Qual o período de incubação?

O período de incubação varia entre 3 e 12 dias após a picada do mosquito infetados.

Quais os principais sinais e sintomas?

Aproximadamente 80% das infeções é assintomática. Quando existem, os sinais e sintomas são semelhantes aos do Dengue e incluem: febre, erupções cutâneas, conjuntivite não purulenta (olhos vermelhos), dores musculares e articulares, mal-estar geral e dor de cabeça. Estes sintomas são habitualmente ligeiros e duram em média 2-7 dias.

Qual é o tratamento?

A doença causada por este vírus é habitualmente ligeira e não exige tratamento específico.

As pessoas com infeção pelo vírus Zika devem fazer tratamento sintomático, nomeadamente:

- Repousar;

- Beber bastantes líquidos para prevenir a desidratação;

- Tratar a dor e a febre com medicamentos como o paracetamol (evitar anti-inflamatórios não esteroides ou aspirina até confirmação da ausência de dengue).

Se existir agravamento dos sintomas devem ser procurados cuidados e aconselhamento médico.

Os viajantes que apresentem sintomas sugestivos de infeção por Zika, até duas semanas após a data de regresso, devem consultar o médico, referindo a viagem recente a uma área de risco.

Cuidados com a água e os alimentos nas viagens internacionais
Cuidados com a água e os alimentos nas viagens internacionais
Ver artigo

Grávidas devem viajar para um país com Zika?

Uma vez que o vírus Zika pode causar microcefalia, as recomendações internacionais atuais sugerem que mulheres grávidas procurem adiar viagens que não são essenciais para países com Zika.

Como prevenir?

Atualmente não existe nenhuma vacina disponível.

Atualmente as principais formas de prevenção do Zika são as mesmas utilizadas para o dengue. As medidas de prevenção incluem:

- Evitar a picada de mosquitos;

- Eliminar locais de reprodução do mosquito.

Algumas medidas para evitar as picadas do mosquito

- Utilizar repelentes aconselhados na consulta do viajante com aplicação frequente nas zonas expostas (no caso de utilizar protetor solar, aplicar primeiro o protetor solar e só depois o repelente);

- Não são recomendados repelentes em bebés com menos de 3 meses; não devem ser aplicados repelentes nas mãos, olhos, boca ou pele irritada ou com cortes;

- Usar roupas largas e de cor clara para diminuir a exposição corporal à picada do mosquito;

- Mediante aconselhamento, aplicar permetrina em roupas e calçado. Não aplicar permetrina diretamente na pele;

- Sempre que possível utilizar o ar condicionado a uma temperatura fresca (<20º C);

- Utilizar redes mosquiteiras nas janelas e portas não obstante o mosquito Aedes aegypti ser mais ativo durante o dia; confirmar que as redes mosquiteiras já existentes estão em boas condições.

Algumas medidas para eliminar locais de reprodução do mosquito:

Evitar a acumulação de água estagnada e ambientes propícios para a reprodução do mosquito (ex: vasos, baldes, pneus, bacias, etc.). Sempre que possível:

- Cobrir ou eliminar recipientes de água;

- Remover o lixo;

- Cobrir/selar fossas séticas;

As explicações são da médica Gabriela Saldanha e não dispensam a Consulta do Viajante.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.