Como reagiria se de repente visse parte do seu trabalho a ser utilizado, sem o seu consentimento, por uma grande empresa que tem lucros anuais na ordem dos milhões de euros?

Foi isto que aconteceu a Tuesday Bassen, uma jovem designer e artista indie, que comercializa na internet alguns dos pins e emblemas criados por si.

Um dia, através das redes sociais, foi surpreendida por diversos seguidores que lhe perguntaram se estava a colaborar com a Zara. Em causa estavam quatro desenhos muitos semelhantes aos seus que estavam a ser comercializados em diversas peças de roupa da marca espanhola.

Perplexa, Tuesday decidiu agir e contactar a Zara sobre o sucedido que acabou por lhe enviar uma resposta por escrito. Em entrevista ao site BuzzFeed, a jovem designer refere que houve, por parte da marca espanhola, a intenção de depreciar o seu trabalho assim como atenuar a gravidade da situação.

“Rejeitamos as vossas acusações por razões expressas anteriormente: a falta de distinção dos supostos desenhos da vossa cliente fazem com que seja muito difícil que uma parte significativa da população mundial associe os desenhos à empresa Tuesday Bassen”, podia ler-se na resposta redigida pelos representantes legais da marca. “Esta é a visão da nossa empresa e estamos conscientes das notificações que recebeu de terceiros e que fez chegar até nós. Quanto a isso, é de notar que essas notificações foram feitas apenas por um pequeno número de pessoas; quando é importante ter em mente que existem milhões de utilizadores, a nível mundial, que todos os meses visitam os nossos sites”, referem.

Contactada pelo Buzzfeed, a Zara confirmou a história explicando que o grupo “Inditex respeita a criatividade de terceiros e leva muito a sério os direitos de propriedade intelectual.” Para além disso, a marca espanhola refere ainda que “os items relevantes foram imediatamente suspensos das lojas” procurando resolver esta questão legal junto dos advogados da jovem designer.

Mas a polémica não termina aqui. Adam Kurtz é outros dos jovens artistas que viu parte das suas criações serem plagiadas pela marca espanhola. Através da rede social Instagram aplaudiu a decisão de Tuesday e decidiu, pela primeira vez, falar sobre o assunto. “No mês passado, quando a Zara roubou o meu pin, resolvi remeter-me ao silêncio porque os artistas perdem sempre este tipo de batalhas judiciais”, pode ler-se na sua página oficial. Adam aproveitou ainda a oportunidade para revelar que atualmente existem cerca de 12 artistas independentes que estão a ter o seu trabalho plagiado pela marca.

Recorde-se que esta não é a primeira vez que o grupo Inditex enfrenta acusações de plágio. Em 2011, a marca de roupa Stradivarius também esteve envolta em polémica após comercializar uma linha de t-shirts com fotografias de bloggers - Michèle Krüsi e Louise Ebel – que não permitiram a sua utilização.

Clique na galeria e veja alguns dos casos de plágio que envolvem o nome da marca Zara.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.