Por Ana Amaro Trindade, Psicóloga Clínica
Carolina N. Albino, Especialista em Ritmos de Sono do Bebé

 

Pais e filhos têm necessidades muito diferentes: para os pais é importante não haver atrasos, a higiene e a organização; já os filhos não querem ser apressados, querem apenas aproveitar o momento, divertindo-se. Muitas vezes, estas necessidades tornam-se difíceis de conjugar e dão azo a conflitos logo pela manhã, quando os pais tentam sair de casa rapidamente e os filhos “não colaboram”.

 

Todas estas questões se resumem ao alinhamento de hábitos - estando os hábitos de sono também envolvidos. Se a criança dorme menos do que precisa durante a noite, o acordar vai ser difícil, com rabugice, sem paciência e, como consequência, a criança vai ter pouca, ou nenhuma vontade de colaborar. Será difícil esperar que uma criança que, desde bebé, tem o hábito de se deitar tarde e dormir menos horas do que necessita, consiga estar bem-disposta e colaborante de manhã cedo. Assim, é importante que antes de se lidar com as manhãs, se lidem com as noites e, de preferência, o quanto antes. Os bons hábitos de sono devem ser ensinados nos primeiros meses de vida e consolidados a partir daí (mas, caso tal não tenha sido feito, nunca é tarde para começar).

 

Para “colher” boas manhãs, “semeie” boas noites:

 

- Oriente o seu filho numa rotina com horários ajustados à sua idade - por exemplo, jantar às 21h compromete um horário saudável de sono, e o acordar cedo no dia seguinte. O sono do “serão” (20h-00h) é de extrema importância e promove a qualidade do sono na madrugada, o que, por sua vez, promove o acordar mais funcional no dia seguinte.

 

- Garanta que o seu filho dorme o suficiente. O número de horas de sono dependente da idade do bebé/criança e deve ser a seguinte, em 24h (incluindo sono noturno e diurno – enquanto há sesta, até aos 4/5 anos):

 

1 semana- 16 horas

3 meses - 15 horas

9 meses -14 horas

2 anos - 13 horas

3 anos- 12 horas

5 anos - 11 horas

9 anos -10 horas

11 anos - 9 horas

17 anos - 8 horas

(Por R. Ferber)

 

- Termine o dia de forma tranquila, com bons hábitos, como ler uma história, fazer um resumo positivo das conquistas do dia da criança ou fazendo a previsão das tarefas matinais do dia seguinte.

Top 15 para manhãs tranquilas

 

Algumas dicas práticas para conseguir sair de casa sem atrasos e sem discussões:

 

1.    Na véspera, prepare a roupa que irão vestir no dia seguinte e deixe-a numa disposição lógica para facilitar a ordem de “entrada”.

 

2.    Recorra a “lembretes” – faça juntamente com o seu filho desenhos das várias situações que espera que ele faça sozinho de manhã (por exemplo: lavar os dentes, calçar os sapatos, vestir o casaco e pegar na mochila) e afixe numa zona do quarto que ele veja. Ele ficará muito orgulhoso por conseguir ficar pronto sem ninguém lhe dar ordens.

 

3.    Levante-se primeiro, arranje-se e prepare tudo o que estiver ao seu alcance (pequenos-almoços, lanches para o dia, etc.) antes de acordar as crianças.

 

4.    Acorde-os (ligeiramente) mais cedo do que necessário para poderem fazer as coisas sem correrias.

 

5.    Mal acordem, ofereça-lhes o pequeno-almoço. Será mais fácil o funcionamento de manhã com o boost energético (o que tornará a criança menos propensa a birras).

 

6.    Indique o que pretende numa só palavra (ou da forma mais sucinta possível) em vez de estar com grandes explicações, pois as crianças podem ter mais dificuldades em processar a mensagem toda. Ex: “Pão!” em vez de “Por favor, já te pedi mil vezes para comeres o pão, tens que comer mais rápido se não vamos chegar atrasados e eu já disse que tenho uma reunião importante!”

 

7.    Use o sentido de humor. Ex: Com uma voz divertida, dizer: “Enfia a cabeça na camisola como se fosses um coelho a espreitar. Boa!” Ou para os mais pequenos enquanto os veste: ”Onde está a mão? Está aqui! Boa, mãozinha!”

 

8.    Incentive-o a fazer melhor, elogiando (“Tu és ótimo a lavar os dentes, boa!” “Estás a mastigar mesmo bem! Isso mesmo!”)

 

9.    Valide os sentimentos do seu filho, pois as crianças colaboram melhor se se sentirem compreendidas. Ex: “Compreendo que fiques muito chateado porque querias ver televisão, mas temos que sair para poderes ir brincar com os teus amigos! Será que já estão à tua espera?”

 

10.    Use a técnica “quando-então” de forma a motivar a criança. Ex: “Quando beberes o leite, então podes ir buscar o brinquedo.”

 

11.    Evite fazer perguntas. Se perguntar: “Já estás pronto para comer?” Pode obter um “Não!”. Diga apenas: “São horas de comer”.

 

12.    Deixe a criança tomar algumas decisões, mas ofereça o mínimo de alternativas possíveis para acelerar as escolhas. Ex: Em vez de “Preferes comer pão com manteiga, queijo ou fiambre? Ou cereais? Ou iogurte? Ou papa?” experimente “Papa ou cereais?”

 

13.    Ajude o seu filho a vestir-se. Quando se está com pressa não é a melhor altura para treinar a independência. Pode calçar uma meia enquanto ele calça a outra, por exemplo.

 

14.    Se o seu filho fizer uma recusa e antes de começarem numa batalha de poderes, afaste-se, vá tratar de outra coisa e regresse, pois, provavelmente já se distraiu e evitou-se uma “guerra”.

 

15.    Façam coisas em conjunto como uma equipa (por exemplo, tomarem o pequeno almoço juntos) ou transforme as atividades em jogos (“Eu vou buscar o casaco e tu vais calçar os sapatos e quem chegar primeiro à porta ganha!”)

 

Não há necessidade de andar a apressar as crianças, pois com criatividade e planeamento é possível que as manhãs decorram sem problemas. Infelizmente, há tantos pais que apenas conseguem estar com os filhos um bocadinho de manhã antes de irem para a escola e à noite quando regressam do trabalho. Não faz sentido desperdiçar o tempo que já é escasso. É fundamental que pais e os filhos possam aproveitar os momentos que passam juntos.