Diretamente de Los Angeles, com raízes cabo-verdianas, June Freedom acaba de lançar o primeiro disco, 'Anchor Baby'. E foi sobre este trabalho que conversou com o Fama ao Minuto.

Uma entrevista que leva o artista a falar sobre as várias experiências que tem vivido ao longo deste percurso que está a construir no mundo da música, sem esquecer as origens.

Mas não fica por aqui e partilha ainda os desejos para o futuro, sendo que além de uma "carreira de sucesso", sonha ainda com as "oportunidades" que possa vir a criar para outras pessoas à sua volta.

Qual o feedback que tem recebido do lançamento de 'Anchor Baby'?

Tem sido esmagadoramente positivo. É bom saber que pessoas de todo o mundo e de diferentes estilos estão a gostar de ouvir o meu álbum... Isso foi, no fundo, o que sempre esperei e estou muito feliz porque foi o que sempre esperei.

Qual a história por trás deste primeiro álbum? O que queria fazer transparecer ao público com este disco?

'Anchor Baby' é um casamento entre todas as minhas experiências de vida… Sendo um cabo-verdiano americano que passou a sua infância em Cabo Verde, fui exposto a muita música tradicional cabo-verdiana como Mornas, Batuka, Funaná e Kizomba. Depois, passei a minha adolescência em Boston e Nova Iorque e os sons americanos e globais do hip-hop, r&b, pop, dancehall e reggae também fazem parte da minha inspiração. Com 'Anchor Baby', o meu objetivo era encontrar uma maneira de reunir tudo isso de forma autêntica num único trabalho que fluiria por todas as partes das minhas verdadeiras inspirações.

Em que se inspira para escrever e produzir novos temas? Qual é o seu processo criativo?

Não tenho um processo criativo específico. Sou muito espontâneo na forma como produzo. Às vezes crio completamente sozinho no meu estúdio em casa, e às vezes crio em salas cheias de outros compositores e produtores talentosos com amigos e uma vibração festiva. Posso trabalhar numa música que pode ser feita em três horas, enquanto noutros casos posso trabalhar noutra música durante um ano. Algumas inspirações vêm da minha própria vida e, honestamente, muita inspiração vem das pessoas ao meu redor ou de coisas que acontecem no mundo.

Tem escrito para outros artistas e esteve vários anos mais ligado à produção. Qual a razão que o fez querer lançar agora um disco?

Sempre trabalhei para mim e o objetivo sempre foi lançar o meu próprio projeto. Na verdade, produzi mais de 300 músicas no meio do meu processo de desenvolvimento artístico. Muitas vezes fui levado a tentar seguir uma direção ou sonoridade e isso nunca se encaixou bem com o meu espírito. Então, num momento em que estava realmente a tentar encontrar a minha direção e o meu próprio caminho, iniciei uma jornada para permanecer criativo e construindo a minha carreira trabalhando com outras pessoas e colaborando com muitos artistas - escritores e produtores com os quais pude aprender e continuar a crescer.

Tem atuado e trabalhado com grandes nomes do mundo da música… O que mais aprendeu com cada uma dessas experiências?

Trabalhar com pessoas tão talentosas ensinou-me muita coisa sobre ética de trabalho, outras técnicas, diferentes estilos de escrita e produção e, o mais importante, pegar em tudo o que tenho vindo a aprender e torná-lo meu.

Com raízes de Cabo Verde e a viver nos Estados Unidos, o que mais destaca da cultura de cada país? E de que forma é que estes dois países contribuem para o seu trabalho?

São realmente dois mundos diferentes... Um representa a simplicidade de um povo, é um típico ritmo de vida numa ilha, um ritmo mais lento e que tem uma cultura muito rica, construída à volta da família e muito boa comida. A minha experiência pessoal na América tem sido muito rápida, com muito trabalho, trabalho árduo, e com muita agitação. Especialmente, morando em cidades como Nova Iorque e Los Angeles, onde não tenho nenhuma família próxima - os teus amigos do trabalho tornam-se na tua família, os outros criativos tornam-se pessoas de quem também dependes e é um modo de vida muito diferente. Consegues ouvir a inspiração de ambos os mundos em 'Anchor Baby', de Melanin e YSL, que realmente representam as minhas experiências em LA até Dor d'um Kriolu, que é sobre a saudade dos sentimentos de Cabo Verde.

O que o levou a mudar-se para os EUA aos 15 anos?

Na verdade, nasci nos EUA e mudei-me para Cabo Verde com os meus pais aos três anos de idade, quando o meu pai conseguiu um emprego importante em Cabo Verde. Depois os meus pais acharam que era importante que eu recebesse o ensino médio americano, então, quando tinha 15 anos, mudei-me de volta para Boston para estudar.

Qual o patamar que gostava de alcançar na carreira musical?

Eu aspiro ter uma carreira de sucesso e influente que possa não apenas proporcionar qualidade de vida a mim e à minha família, mas também criar oportunidades para outras pessoas à minha volta.

Leia Também: "Gostava de ter uma cozinha onde fizesse o que me apetecesse cozinhar"

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.