A MJJ Productions Inc., empresa que gere o património de Michael Jackson terá de enfrentar em tribunal queixas de Wade Robson e James Safechuck, que dizem ter sido abusados sexualmente, quando eram ainda crianças, pelo músico e com a cumplicidade e ajuda da empresa em questão.

Passados 14 anos desde a morte de Michael Jackson, o Tribunal de Recurso da Califórnia aceitou dar uma nova vida aos casos de abusos sexuais alegadamente ocorridos no rancho Neverland.

Uma falha no processo que já tinha sido arquivado justificou a sua reabertura, explica o 'Los Angeles Times'. São, aliás, as alterações que a lei sofreu devido movimento #MeToo que agora permitem que as acusações, arquivadas em 2014, ganhem novos contornos.

Macaulay Culkin, ator do icónico 'Sozinho em casa' poderá ter de voltar a testemunhar em tribunal no âmbito do processo, já que a sua relação de grande proximidade com Michael Jackson enquanto era ainda criança e adolescente sempre suscitou dúvidas.

Michael Jackson, recorde-se, morreu a 25 de junho de 2009. Tinha na época 50 anos.

Leia Também: "Fiquei sem luz em casa e tive de pedir dinheiro para pagar a conta"

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.