Em declarações à agência Lusa, Mafalda Ferreira, coordenadora do inquérito a 470 pessoas, notou a diminuição do valor a gastar nas férias entre 2017 e 2018 e da ‘migração’ do Algarve para o litoral alentejano.

Na comparação com o estudo de 2017, a coordenadora referiu o “ligeiríssimo decréscimo, absolutamente residual, do valor gasto, contrariamente às expectativas, nas férias de verão: passou de 708 euros do ano passado para 702 este ano”.

Portugal vai ter mais duas praias para cães
Portugal vai ter mais duas praias para cães
Ver artigo

Sem alterações está o número de pessoas a fazer férias nos meses de verão, “o período privilegiado” pelos portugueses para quem a “praia é o atributo mais valorizado” (61% das respostas).

Menos portugueses a escolher o Algarve

A registar mudanças está a escolha do Algarve, já que o “valor diminuiu face aos dados do ano passado (52% em 2017 para 47% em 2018), tendo aumentado o Alentejo litoral (23% para 32%)”.

“Eu diria que nas pessoas que ficam em Portugal, há uma transferência de valores e na nossa amostra 54,8% das pessoas irão ficar em Portugal, os outros distribuem-se pela Europa (quase 26%), África (5%) e América do Sul (3%)”, acrescentou a docente.

Dentro da Europa, “o país claramente preferido é Espanha”, disse.

A manter-se está também a tendência de a “maioria das pessoas pesquisar e depois reservar ‘online’”, enquanto a nível de alojamento, o “local tem vindo a ganhar terreno e atualmente corresponde a 22% e os hotéis a 31%”.

À Lusa, a professora referiu ainda que, cruzando com outras informações, se concluiu que “a situação de crise económica e financeira provocou algumas alterações dos padrões de pesquisa e de compra”.

E o que se nota, em diferentes áreas, é que “apesar de repostas algumas das restrições financeiras e de um orçamento maior disponível, o português mantém algum tipo de padrões e são mais focados na questão do preço e em encontrar a melhor relação preço-qualidade”, assegurou.

A coordenadora do estudo indicou ainda a utilização “em grande parte” do subsídio de férias nesta altura, pelo que a “reposição dos subsídios tem impacto no padrão de comportamento, já que 49% das pessoas o utiliza parcialmente e 15% utilizam-no totalmente”.

“Este subsídio é um motor efetivamente da dinâmica económica que se coloca nas férias”, afirmou.

O estudo foi realizado entre 12 e 24 de julho, com uma amostra de 470 indivíduos e com 87% a referir ter férias entre julho, agosto e setembro.

Dos inquiridos, 78% disse que vai sair de casa durante as férias e os que não fazem será por “constrangimentos financeiros”.

O IPAM foi fundado em 1984 e integra a rede Laureate International Universities que, em Portugal, detém ainda a Universidade Europeia e o IADE – Universidade Europeia.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.