A compra de casa voltou a estar na ordem do dia. A queda das taxas EURIBOR e a maior abertura da banca para conceder crédito tem levado cada vez mais pessoas a avaliar a possibilidade de comprar a sua habitação ou mesmo comprar casas para investimento.

Impostos

Para além de ser um processo burocrático é um processo pesado em termos de impostos. Neste contexto, destacamos os seguintes:

IMT – Imposto Municipal Sobre Transações Onerosas de Imóveis

A Compra/vende de imóveis tem associado o pagamento de um imposto ao Estado que está tabelada. A taxa a aplicar varia consoante se trate de um imóvel urbano ou rústico, consoante a localização e a finalidade. Por exemplo, se for compra de habitação própria aplica-se uma taxa inferior à praticada na compra para investimento.

Tenha em atenção que o cálculo do IMT é feito tendo em conta o maior de dois valores – valor da escritura e o valor patrimonial do imóvel. Assim, o Estado tenta evitar a “fuga ao fisco”.

Finalmente, é possível estar isento do pagamento do IMT, mas tal é apenas possível para as habitações próprias permanentes.

IS – Imposto de Selo

O Imposto de Selo representa 0,80% do valor do imóvel (mais uma vez, do valor mais elevado entre o valor da escritura e o valor patrimonial do imóvel).

Imposto de Selo Sobre Crédito

Caso faça a aquisição com recurso a crédito habitação, existe lugar ao pagamento do imposto de selo sobre utilização de crédito. Assim, conte com mais 0,60% sobre o valor do financiamento

IMI – Imposto Municipal Sobre Imóveis

Se tem um imóvel tem de pagar impostos. Este é um pagamento anual (que pode ser diluído em duas ou três prestações) e está relacionado com o valor do imóvel e o concelho onde está localizado, variando entre 0.30% e 0.8% do valor patrimonial do imóvel.

Custos com registos

Para além do Estado que chama a si parte do património das famílias portuguesas, existe também a necessidade de registar a transação e o eventual contrato de crédito (mútuo com hipoteca). Neste contexto, poderá recorrer à modalidade Casa Pronta que tem o custo tabelado. Paga €375 no primeiro registo. Se tiver o crédito habitação paga €700. Caso opte pela conservatória ou pelo notário, os custos irão variar consoante o local e o preçário em vigor.

Comissões Bancárias – O Recurso ao financiamento bancário irá implicar o pagamento de comissões, que poderão ascender a mais de €1.000. O banco aqui é tão criativo como o Estado e cobra-lhe todo o tipo de comissões. Veja alguns custos escondidos associados à compra de casa.

Seguros – Seguro de vida e seguro multirriscos. O valor do prémio de seguro irá depender de inúmeros fatores e o banco privilegia/obriga a que faça o seguro junto da sua seguradora (aí poderá aumentar a sua margem financeira)

Condomínio, obras…

Os custos de aquisição e uma casa podem parecer demasiados. Conte suportar perto de 5%-7% do valor da casa em custos e impostos, no primeiro ano. Adicionalmente, conte ter de suportar uma entrada que irá depender do valor da avaliação, mas que em vários casos poderá representar 10%-20% do valor do financiamento.

Como baixar os custos de aquisição?

É bem possível que tenha de suportar a grande maioria destes custos. No entanto, é possível mitigar ou reduzir alguns dos custos. Adicionalmente, é também possível poupar bastante dinheiro todos os meses no que toca aos juros que irá suportar. Aqui, é fundamental conseguir o melhor spread e procurar reduzir o cross-selling (todos aqueles produtos que acabam por pesar ao final do mês…)

Para começar o processo, sugerimos que preencha o simulador de crédito habitação e veja quanto pode poupar todos os meses. Pode também poupar com a transferência do seu crédito habitação atual.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.