A 23 de maio, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, disse que o CHTV ia vai deixar de receber novos doentes oncológicos a partir desta sexta-feira, uma situação que classificou de “enorme gravidade”.

“Não se confirma essa situação, vamos continuar a receber novos doentes”, assegurou hoje o conselho de administração.

Conhece alguém com cancro? Faça-lhe um grande um favor e não diga isto
Conhece alguém com cancro? Faça-lhe um grande um favor e não diga isto
Ver artigo

Segundo a mesma fonte, “tudo continua como tem funcionado, sendo que o conselho de administração está empenhado na resolução dos problemas que afetam o serviço”.

Carlos Cortes tinha criticado o facto de a oncologia ser “um serviço completamente esquecido daquele hospital”, onde a partir de junho haveria apenas dois médicos, além de que os espaços para o tratamento dos doentes oncológicos “são extremamente reduzidos, sem nenhuma condição” para os receber.

O responsável adiantou que a Ordem foi informada pelos diretores das especialidades cirúrgicas de que “todos os meses estão a sair à volta de cem doentes, em média, daquele hospital, simplesmente por razões economicistas”.

“Significa que existe a capacidade técnica dos cirurgiões para intervencionarem esses doentes, mas por decisão do conselho de administração, que entende que é mais barato esses doentes serem operados fora daquele hospital, esses doentes não são operados” no CHTV, adiantou.

Para Carlos Cortes, quando se começa “a pensar desta forma o serviço público de saúde, então significa que é o princípio do fim do SNS [Serviço Nacional de Saúde]”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.