Os dados fazem parte do estudo ‘Números da Ordem’ hoje divulgado pela OMD, que mostram que 53,1% destes dentistas suspenderam a inscrição para trabalharem no estrangeiro.

Em 2022, verificou-se o maior aumento anual de pedidos de suspensão da Ordem, com um total de 258 dentistas a fazê-lo.

“Só em três anos houve um aumento na ordem dos dois dígitos, ainda assim muito abaixo dos valores de 2022”, nomeadamente em 2015, com 102 inscrições suspensas (+10,3%), em 2016, com 119 (10,9%) e em 2019, com 172 (12,2%).

No final de 2022, a OMD registava 12.706 médicos dentistas com inscrição ativa para o exercício da profissão em Portugal, mais 3,8% (471) comparativamente a 2021.

“Esta é a realidade da medicina dentária em Portugal. Apesar dos mais de 2.000 profissionais que têm a inscrição suspensa, e dos mais de 50% que decidiram trabalhar no estrangeiro, o número de médicos dentistas habilitados exercer a profissão em Portugal continua a aumentar”, alerta o bastonário da OMD, Miguel Pavão, citado em comunicado.

Para Miguel Pavão, é uma situação preocupante, porque se estão “a formar profissionais cujo futuro no país é cada vez mais precário e cuja solução é sair para outras paragens”.

O estudo também demonstra que “Portugal está, ano após ano, a afastar-se cada vez mais dos valores de referência apresentados pela Organização Mundial da Saúde” de um médico por 2.000 habitantes.

“Se, em 2019, Portugal tinha um médico dentista por cada 918 habitantes, no ano passado registou um por 814”, salienta.

Das 25 regiões identificadas, apenas cinco estavam dentro dos valores considerados aceitáveis pela OMS (Oeste, Beira Baixa, Lezíria do Alentejo, Alto Alentejo e Alentejo Central) e duas tinham falta de médicos dentistas (Alentejo Litoral e Baixo Alentejo).

Nas restantes, há dentistas a mais, sendo a Área Metropolitana do Porto (1 para 576), Viseu Dão Lafões (1/624) e Região de Coimbra (1/726) as que apresentam os números mais preocupantes.

Terras de Trás-os-Montes é a única que regista evolução contrária às restantes 24 regiões: passou de 1/819 no final de 2021, para 1/845 no final de 2022.

“É um imperativo alertar os candidatos ao curso de medicina dentária para as condições que vão encontrar quando entrarem no mercado de trabalho”, defende Miguel Pavão, adiantando que, com o estudo, tem-se assistido “a um agravar contínuo da situação em Portugal”, razão pela qual a OMD insiste com “as várias entidades para a urgência de uma revisão das políticas de ensino e formação em Portugal”.

Com base nos números fornecidos pelas instituições do ensino superior, as previsões da OMD apontam para um crescimento anual de membros ativos na ordem dos 3,1%.

Em 2026, existirão 14.359 dentistas com inscrição ativa na Ordem, ou seja, um rácio de 1 para 720, fazendo com que Portugal se afaste ainda mais da cobertura recomendada pela OMS.

O estudo reúne num só documento os grandes números, estimativas e tendências da profissão. Todos os números resultam da base de dados da própria OMD, à data de 31 de dezembro de 2022.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.