"Acho sinceramente que o Governo tem tardado nas respostas e o ministro da Saúde tem sido desajustado nas suas declarações", considerou Catarina Martins, falando aos jornalistas em Lisboa, à margem de uma iniciativa com o candidato do partido à autarquia da capital, Ricardo Robles, nas autárquicas de 01 de outubro.

Os enfermeiros iniciaram hoje uma greve de cinco dias contra a recusa do Ministério da Saúde em aceitar a proposta de atualização gradual dos salários e de integração da categoria de especialista na carreira.

Para a líder do BE, "é preciso valorizar o trabalho dos enfermeiros em Portugal", e o tema, apesar de "arrastar-se" de outros executivos, não pode merecer "inação" do atual Governo do PS.

O Serviço Nacional de Saúde (SNS), segundo a dirigente do BE, está "desorçamentado", e o Orçamento do Estado para 2018 deve representar um "recuperar do SNS" que leve, por exemplo, à contratação de mais enfermeiros.

De todo o modo, reconheceu Catarina Martins, a situação dos enfermeiros especialistas pode ser apenas resolvida "em parte no OE", mas as negociações entre Governo e sindicatos "são importantíssimas, nomeadamente na remuneração" daqueles profissionais.

"Posturas do ministro [da Saúde, Adalberto Campos Fernandes] a desvalorizar reinvindicações que todos nós no país percebemos que são essenciais não ajudam a um processo negocial que é essencial. O OE não se substitui às negociações e espírito de negociação entre o Governo e enfermeiros e enfermeiras deste país", prosseguiu a coordenadora do Bloco.

Veja ainda: As fotos dos enfermeiros em protesto de Norte a Sul

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.