De acordo com uma norma da Direção Geral da Saúde (DGS) referente à Estratégia Nacional de Testes para a SARS-CoV-2, atualizada na terça-feira, recomenda "a realização de rastreios laboratoriais em eventos familiares, designadamente casamentos e batizados, bem como quaisquer outras celebrações similares, com reunião de pessoas fora do agregado familiar, aos profissionais e participantes sempre que o número de participantes seja superior a dez”.

“Uma medida desse género eu estou concordando com ela, a pandemia está outra vez a evoluir demais, nós sabemos que o Rt [índice nacional de transmissibilidade], que é o fator de multiplicação, já está acima do nível 1, 1, isso é muito e, portanto, isso significa que nos próximos tempos nós vamos ter um aumento de casos”, disse Rui Rio.

O presidente do PSD que falava aos jornalistas após uma visita ao centro histórico de Elvas, no distrito de Portalegre, acompanhado pela candidata da coligação PSD/CDS-PP à Câmara de Elvas, Paula Calado, acrescentou ainda que o país não pode “relaxar” no combate à pandemia.

“Estamos um pouco mais tranquilos porque já há uma franja da população com as duas doses da vacina e até com uma dose da vacina que é, por exemplo o meu caso, e isso já dá alguma segurança, mas não podemos relaxar, temos de estar com muita atenção”, alertou.

“Não permitir que aconteça aquilo que aconteceu e que está no eixo daquilo que estamos a viver, que foram basicamente os festejos ligados ao futebol no Porto, em Lisboa e em parte em Braga, isso ensina-nos acrescido das festas familiares, segundo a DGS diz, ensina-nos que nós temos de saber travar a tempo para evitar, justamente, situações piores”, acrescentou.

O líder do PSD acrescentou ainda que a DGS “é que tem obrigação” de definir medidas, e se define desta forma os portugueses “cumprir”, estando “todos unidos” no combate ao vírus.

De acordo com a DGS, também em eventos de natureza cultural ou desportiva, a testagem é recomendada “sempre que o número de participantes/espectadores seja superior a mil, em ambiente aberto, ou superior a 500, em ambiente fechado”.

Já em contexto laboral, nos locais de maior risco de transmissão, como as explorações agrícolas e o setor da construção, aconselha-se a testagem com uma periodicidade de 14/14 dias, pode ler-se na norma da DGS.

Esta recomendação é igualmente aplicada em serviços públicos e locais de trabalho com 150 ou mais trabalhadores, independentemente do seu vínculo laboral, da modalidade ou da natureza da relação jurídica, adianta ainda.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.