“Parece haver uma estabilização de todo este processo, até com alguma tendência decrescente”, mas, “mais importante” é “dizer que não podemos baixar a guarda e, portanto, mantém-se a nossa grande preocupação” quanto à pandemia, considerou.

Numa conferência de imprensa na Base Aérea N.º 11 (BA11), em Beja, onde visitou um centro militar de acolhimento para doentes com covid-19, que está atualmente vazio, Lacerda Sales foi questionado pelos jornalistas sobre se Portugal já teria atingido o pico da pandemia.

“Só saberemos o pico, tecnicamente é assim, quando tivermos passado dois períodos de incubação a descer”, esclareceu, rejeitando fazer esse tipo de considerações.

O que importa, de acordo com o secretário de Estado, é manter toda a atenção relativamente às medidas de proteção contra a pandemia e preocupação perante a doença, “até porque os serviços de saúde estão muito pressionados”.

“As unidades de cuidados intensivos estão muito pressionadas”, insistiu, lembrando que “os serviços de saúde não são solução deste processo”, porque “a solução está em cada um de nós, está na consciência social e coletiva de todos”.

Os serviços de saúde servem sim “para ganharmos tempo e para salvarmos vidas, que é garantidamente objetivo de todos nós”, acrescentou.

Na terça-feira, foi noticiado um documento do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) que estima que, se os países que em outubro e novembro tomaram novas medidas para controlar a pandemia as levantassem a 21 de dezembro, os internamentos hospitalares aumentariam na 1.ª semana de janeiro.

As projeções do EDC indicam que Portugal deve atingir até ao final deste mês o pico de novos casos de covid-19, mas que o pico de óbitos deve acontecer já em dezembro, com um número diário que se poderá manter elevado até ao Natal.

Na deslocação de hoje à BA11, em que esteve acompanhado pelo secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional, Jorge Seguro Sanches, e por responsáveis locais e regionais, Lacerda Sales disse que as Forças Armadas vã ser envolvidas no processo de vacinação contra a covid-19 que vai decorrer no país.

A ‘task force’ criada pelo Governo para definir todo o plano de vacinação contra a covid-19 “tem elementos das Forças Armadas”, aludiu.

E “é evidente” que as Forças Armadas “são uma estrutura muito importante em tudo o que é relativo à estratégia, à organização, à distribuição, à própria segurança que estes processos”, como o da vacinação, “precisam de ter", pelo que o Governo conta com elas “para a logística”, disse.

Portugal contabiliza pelo menos 4.209 mortos associados à covid-19 em 280.394 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 08 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.