No total, a nação sul-americana, com 212 milhões de habitantes, totaliza 436.537 óbitos e 15.657.391 infeções desde o início da pandemia no país, cujo primeiro caso foi detetado em São Paulo, em fevereiro do ano passado.

De acordo com o último boletim epidemiológico difundido pelo Ministério da Saúde, a taxa de incidência da covid-19 no país subiu hoje para 208 mortes e 7.451 casos por 100 mil habitantes.

O foco da pandemia no país continua a ser São Paulo, que concentra 3.096.845 casos de infeção e 104.295 vítimas mortais.

A nível mundial, o Brasil ocupa a segunda posição na lista de países com maior número absoluto de óbitos, depois dos Estados Unidos, e a terceira com mais casos, antecedido também pela nação norte-americana e pela Índia.

O Brasil registou ainda a recuperação de 14.152.433 diagnósticos de infeção, enquanto 1.068.421 pacientes infetados estão sob acompanhem médico.

Apesar de o mês passado ter sido o mais letal de toda a pandemia no Brasil, e de alguns especialistas preverem uma terceira vaga, o nível de isolamento dos brasileiros está no nível mais baixo desde o início das restrições impostas para conter a disseminação do vírus.

Uma sondagem divulgada hoje pelo instituto Datafolha dá conta que três em cada dez brasileiros adultos (30%) estão totalmente isolados ou saem de casa apenas em situações inevitáveis, numa percentagem que chegou ao máximo de 72% em abril do ano passado e que atingiu 49% em março último.

Desses 30%, 2% dizem não sair de casa sob hipótese alguma, numa queda de seis pontos percentuais em relação a março de 2021 (8%) e um número bem distante dos 18% notificados em abril e 2020.

Já o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou precisamente os brasileiros que se mantêm isolamento social na pandemia, a quem chamou de ‘idiotas’, numa conversa com apoiantes, hoje, em Brasília.

“Tem uns idiotas aí, o ‘fique em casa’. Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa. Se o campo [agronegócio] tivesse ficado em casa, esse ‘cara’ tinha morrido de fome, esse idiota tinha morrido de fome”, disse Bolsonaro, que desde o início da pandemia critica as medidas de isolamento social.

Num momento em que o Brasil enfrenta escassez de imunizantes contra a covid-19, as autoridades do país informaram que receberão em breve matéria-prima para retomar a produção de vacinas das farmacêuticas AstraZeneca e Sinovac.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) receberá no sábado dois lotes do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da vacina de AstraZeneca/Oxford, com quantidade suficiente para envasilhar 18 milhões de doses, informou hoje o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz. Contudo, em comunicado, a Fiocruz salientou que os consumíveis darão para 12 milhões de doses.

Já o executivo de São Paulo indicou que o Instituto Butantan prevê receber no dia 26 deste mês a próxima remessa de IFA para a Coronavac (Sinovac), com quatro mil litros do consumível proveniente da China, para a produção de cerca de sete milhões de doses.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.381.042 mortos no mundo, resultantes de mais de 162,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.