Os investigadores tentam descobrir como a paciente do estado da Pensilvânia, de 49 anos, que não viajou recentemente para o estarngeiro, contraiu uma variedade da bactéria Escherichia coli, mais conhecida pela abreviatura E. coli, que lhe causou uma infeção urinária persistente e ultrarresistente a antibióticos.

A bactéria contraída é portadora do gene MCR-1, que a torna resistente à colistina, o antibiótico utilizado como último recurso nos casos de polirresistência.

A bactéria está no entanto a reagir a um tratamento com carbapenema, outro antibiótico de amplo espectro.

Leia tambémPorque devo ter cuidado com os antibióticos?

Esta é a primeira vez que este tipo de gene foi identificado numa bactéria encontrada num ser humano infetado nos Estados Unidos, embora já tenham sido registados casos semelhantes na Europa e China.

Com uma taxa de mortalidade que pode chegar aos 50%, as bactérias com este gene mutante são consideradas pelos Centros de Controlo de Doenças dos Estados Unidos como uma das maiores ameaças à saúde pública.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.