Afinal, o pequeno-almoço não é a refeição mais importante do dia. De acordo com uma nova meta-análise divulgada ontem online pela publicação especializada The BMJ, um documento que reúne informações de 13 investigações internacionais, a primeira pausa alimentar da manhã não deve ser saltada nem menosprezada, mas pode estar a ser sobrevalorizada por nutricionistas, dietistas, médicos e especialistas.

Segundo o relatório que sintetiza as conclusões, não está cientificamente comprovado que tomar o pequeno-almoço melhore o funcionamento do metabolismo ao longo do dia ou facilite a perda de peso, como muitos profissionais de saúde defendem. Num estudo que avaliou dois grupos de voluntários, os investigadores concluíram que os que não falhavam a primeira refeição do dia ingeriam, em média, mais 260 calorias.

9 alimentos que devem fazer parte do seu pequeno-almoço
9 alimentos que devem fazer parte do seu pequeno-almoço
Ver artigo

E pesavam mais 440 gramas. "Apesar de, ingerido com regularidade, poder ter outros efeitos importantes, como o aumento dos níveis de atenção e de concentração na infância, há que ter cuidado quando se recomenda aos adultos que andam a fazer dieta que tomem o pequeno-almoço, uma vez que [tomá-lo] pode ter o efeito contrário", assegura o documento. Levada a cabo pelos investigadores Katherine SievertSultana Monira HussainMatthew J. Page, Yuanyuan Wang, Harrison J. HughesMary Maleke e Flavia M. Cicuttini. 

Tim Spector, professor de epidemiologia genética do King's College London, já analisou o novo estudo. "As pessoas que não tomam o pequeno-almoço tendem a ser mais pobres, menos educadas, menos saudáveis e, de um modo geral, alimentam-se pior", escreveu o docente num artigo de opinião no The BMJ. "Um terço dos habitantes dos países desenvolvidos falha regularmente o pequeno-almoço. Eu sou um deles", admite.

Alguns dos estudos internacionais analisados sugerem ainda que ir para a cama de barriga cheia também não é bom. A ingestão excessiva de calorias ao jantar é, assim, desaconselhada pelos autores da nova investigação. "Algumas pessoas estão [naturalmente] programadas para preferir comer mais cedo e outras para o fazer mais tarde, o que torna o nosso metabolismo pessoal único", defende, no entanto, Tim Spector.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.