O estudo, publicado no European Journal of Obstetrics & Gynecology, vem introduzir três novas curvas de referência: uma para meninos, outra para meninas e uma terceira indiferenciada para os dois géneros, escreve o jornal Público.

Os dados têm em conta as características das mulheres portuguesas e já estão disponíveis para médicos de família e obstetras através de uma aplicação.

As tabelas de percentis são essenciais no acompanhamento das gravidezes, porque permitem aos obstetras e médicos de família estimarem o tempo de gravidez, a data prevista do parto e eventuais problemas fetais.

No entanto, era até agora comum uma grávida obter valores fora da curva, o que nas palavras do obstetra Ricardo Sousa-Santos, do Hospital de Guimarães, poderia causar transtornos na grávida.

A nova tabela foi realizada com base em dados de mais de 660 mil nascimentos.

A amostra revelou, por exemplo, que o peso médio de um bebé português à nascença pode variar em mais de 150 gramas quando comparado com um recém-nascido do Reino Unido ou da Nova Zelândia.

Veja ainda: 10 alimentos que as grávidas nunca devem comer

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.