No ano em que artistas como a cantora Dua Lipa, a atriz Bruna Marquezine, o rapper Post Malone, a atriz Marina Ruy Barbosa, o ator Timothée Chalamet e a modelo e atriz Ireland Baldwin nasceram, já muitas outras celebridades davam cartas no panorama artístico. No ano em que o SAPO foi criado, um cantor brasileiro punha o país a dançar, duas bandas inglesas rivalizavam pela liderança das tabelas de venda e uma cantora portuguesa lançava um dos seus maiores êxitos. Mas não eram os únicos a fazer sucesso.

1. Oasis

"(What's the story) Morning glory?", o segundo disco dos Oasis, o sucessor de "Definitely maybe", não foi só o álbum mais procurado em Inglaterra em 1995. Foi também o longa duração que mais exemplares vendeu em todo o Reino Unido na década de 1990. Ainda hoje, é considerado um dos melhores discos britânicos de sempre. Em 1997, depois de lançar "Be here now", a banda de Manchester, criada pelos irmãos Liam Gallagher e Noel Gallagher, começou a perder popularidade e, em 2009, acabaria mesmo por se separar.

2. Demi Moore

Em 1990, ao lado de Patrick Swayze, o filme "Ghost - O espírito do amor", o filme mais rentável desse ano, converte-a numa das maiores estrelas femininas de Hollywood. Nos anos seguintes, brilha em "Uma questão de honra", "Proposta indecente" e"Revelação". Em 1995, apesar da deceção comercial de "A letra escarlate" e, um ano depois, de "A jurada", continua em alta. É nesta altura que lhe oferecem 10,5 milhões de euros para protagonizar "Striptease", que não convence, tal como sucede com "G.I. Jane", em 1997.

3. Iran Costa

Locutor, produtor de rádio e DJ antes de se tornar cantor, Iran Costa pôs Portugal a dançar e a cantar no verão de 1995 com "O bicho", o single de maior sucesso do álbum "Dance music", lançado pela editora Vidisco. Em setembro de 2019, o artista brasileiro nascido em Porto Franco, no norte do Brasil, no dia 28 de dezembro de 1965, que nunca viria a ter outro disco que vendesse tanto, anunciou a gravação de uma nova versão do tema para assinalar os 25 anos da canção. É uma das faixas do seu último álbum, "XXV".

4. Mariah Carey

Com "Vision of love", o seu primeiro single, em 1990, tornou-se logo numa estrela global. O primeiro álbum foi um êxito mas o segundo vendeu menos. "Hero" e "Without you", do terceiro disco, editado em 1993, devolvem-lhe a fama maior. Em novembro de 1994, lança um álbum de Natal. "All I want for christmas is you" torna-se num clássico. Em 1995, Mariah Carey apresenta "Daydream". Considerado o seu melhor disco até à data, torna-se no álbum mais vendido de sempre nos EUA. Os seguintes desiludem os fãs.

5. Blur

Lançado a 25 de abril de 1994, "Parklife" da banda inglesa Blur foi um êxito retumbante e, em 1995, o grupo esteve em alta devido a singles como "Girls & boys", "End of a century", "Parklife" e "To the end". A rivalidade com os Oasis levou muitos a recordar a batalha entre os The Beatles e os The Rolling Stones. Em 1995, a banda de Damon Albarn lançou "The great escape", mas não voltaria a ter o mesmo mediatismo. Em 2004, os Blur separaram-se pela primeira vez. O último disco saiu em abril de 2015.

6. Jim Carrey

Entre 1994 e 1995, o ator canadiano protagoniza aqueles que são alguns dos seus filmes mais populares e rentáveis de sempre, como é o caso de "A máscara", "Doidos à solta", "Batman para sempre" ou ainda os que narram as aventuras do divertido detetive Ace Ventura. É uma das estrelas mais lucrativas da sétima arte em todo o mundo em 1995. Nas décadas seguintes, continua a brilhar em grandes papéis, mas vai perdendo mediatismo. Lançou recentemente o livro "Memoirs and misinformation: A novel".

7. Alanis Morissette

Foi em 1995 que a canadiana Alanis Morissette lançou seu o primeiro álbum. "Jagged little pill", uma das apostas da editora musical criada por Madonna, Frederic DeManm e Veronica Dashev em 1992, vendeu 33 milhões de cópias em todo o mundo. Com os singles  singles "You oughta know", "Ironic", "You learn" e "Hand in my pocket", continua a ser, 25 anos depois, o disco de maior êxito da cantora e compositora, que, no fim de julho, lançou "Such pretty forks in the road", o seu primeiro álbum em oito anos.

8. Michelle Pfeiffer

Trabalhava num supermercado quando decidiu tentar a sorte na representação. Em 1982, chega ao grande ecrã e, logo no ano seguinte, brilha em "A força do poder", ao lado de Al Pacino. Em 1987, dá nas vistas em "As bruxas de Eastwick" e, depois, em "Ligações perigosas", "Os fabulosos irmãos Baker" e "A casa da Rússia". Em 1995, é a estrela maior de "Mentes perigosas". Faz "Íntimo e pessoal" com Robert Redford e "Um dia em grande" com George Clooney antes de abrandar o ritmo para se dedicar mais à família.

9. The Cranberries

1995 foi o ano de maior êxito para a banda irlandesa liderada por Dolores O'Riordan. "Zombie", o primeiro single do álbum "No need to argue", lançado em setembro de 1994, foi um sucesso global, catapultando o grupo para o topo das tabelas de venda. Em meados do ano seguinte, o coletivo começa a destacar-se nos EUA, tornando-se na primeira banda irlandesa a fazer furor do outro lado do oceano Atlântico a seguir aos U2. Em janeiro de 2018, Dolores O'Riordan foi encontrada morta num hotel em Londres.

10. Ágata

Em 1994, Ágata lança aquele que é o seu maior sucesso até à data. "Perfume de mulher" é um grande êxito popular mas é no ano seguinte que a cantora portuguesa mais brilha. "Maldito amor", "Mãe solteira" e "Tudo foi por ciúme" andam de boca em boca. Os espetáculos sucedem-se. Em 1997, "Comunhão de bens", "Escrito no céu" e "De mulher para mulher", em dueto com a sobrinha, Romana, consolidam-lhe o estatuto de rainha da música popular portuguesa, mas os discos que se seguem são menos mediáticos.

11. Scatman John

Nascido em El Monte, na Califórnia, nos EUA, John Paul Larkin iniciou a carreira em 1976 mas foi em 1995, como Scatman John, que, aos 53 anos, viveu o seu (curto) período de glória. Os singles "Scatman (Ski-ba-bop-ba-dop-bop)" e "Scatman's world" foram dois dos maiores dos êxitos do verão de 1995. Produzidos, em Berlim, pelos produtores musicais alemães Ingo Kays e Tony Catania, fizeram furor nas rádios e nas discotecas europeias. No ano seguinte, não teria o mesmo sucesso. Morreu em 1999 com cancro.

12. Tupac Shakur

Foi como 2Pac que Tupac Shakur assinou o seu primeiro single em 1991 mas seria em 1995 que lançaria aquele que viria a ser o seu maior sucesso comercial, "California love", com a participação de Dr. Dre e Roger Troutman. "Me against the world", o seu terceiro álbum, editado em março desse mesmo ano, vendeu 2,4 milhões de cópias nos EUA. Em fevereiro de 1996, sucede-lhe "All eyez on me", o último disco que lançou em vida, antes de ser brutalmente assassinado a tiro em Las Vegas em setembro. Tinha apenas 25 anos.

13. Tom Hanks

Em 1994, um ano depois de emocionar o mundo em "Sintonia de amor" e "Filadélfia", brilha em "Forrest Gump", um dos seus maiores êxitos de bilheteira. É com ele que ganha o seu segundo Óscar de Melhor Ator, no dia 27 de março de 1995, ano em que leva milhões ao cinema para ver "Apollo 13". A seguir a Jim Carrey, torna-se no ator mais rentável da sétima arte a nível global. Os filmes que se seguem ficam aquém do esperado e os êxitos que se seguem, com exceção de um ou de outro, não serão tão estrondosos.

14. Portishead

Pioneiros da trip hop music, os ingleses Portishead viveram em 1995 aquele que foi o seu melhor ano. Embalados pelo sucesso dos singles "Numb", "Sour times" e "Glory box" e do primeiro álbum, "Dummy", lançado no verão de 1994, foram nomeados para o prémio de revelação britânica nos Brit Awards em 1995, que perderam para os Oasis. A banda regressaria aos discos em meados de 1997 mas não voltaria a ter a mesma popularidade. O último álbum, "Third", foi lançado a 28 de abril de 2008, 11 anos após "Portishead".

15. José Nuno Martins

Foi o primeiro profissional a trabalhar nos três canais generalistas portugueses de televisão. Na SIC, apresentou, entre 1995 e 1996, uma das séries do concurso de imitações "Chuva de estrelas", sucedendo a Catarina Furtado, que tinha conduzido as primeiras duas. Passou, depois, o testemunho a Bárbara Guimarães, que assumiria a apresentação das restantes quatro. Fundou, em 1995, a empresa 625 Audiovisuais, tendo sido autor e produtor de programas da RTP como "Os principais" e "Casa de artistas".

16. Take That

Formada por Gary Barlow, Robbie Williams, Howard Donald, Mark Owen e Jason Orange, é uma das mais populares boysbands britânicas de todos os tempos. Em 1993, com o lançamento do álbum "Everything changes" e dos singles "Pray", "Relight my fire" e "Babe", tornou-se num fenómeno de vendas europeu mas foi em 1995, com "Back for good", o seu maior êxito, que superaram todas as expetativas. No ano seguinte, a banda separou-se. O grupo viria a reunir-se nove anos depois, em 2005, sem Robbie Williams.

17. Jerry Seinfeld

Estreada em 1989 nos EUA, a comédia "Seinfeld" não foi logo um êxito. Só começou a dar nas vistas a partir da segunda temporada. Com 12,5% de rating em 1991, subiu para os 21,2% em 1995, a sua segunda melhor percentagem que alcançou. O protagonista, o comediante Jerry Seinfeld, tornou-se numa estrela global. O último episódio seria exibido em maio de 1998. A partir daí, a popularidade do também ator, argumentista, produtor e realizador americano, que continua no ativo, nunca mais seria a mesma.

18. Bon Jovi

Portugal foi um dos países onde "Cross road", o primeiro disco de grandes êxitos dos norte-americanos Bon Jovi, chegou a primeiro lugar nas tabelas de venda. Lançado em outubro de 1994, inclui "Always", uma das baladas de maior sucesso da banda. Só nos EUA, vendeu quase cinco milhões de exemplares. Em alta desde 1986, o grupo foi somando êxito após êxito até 2009. Em 2013, o guitarrista Richie Sambora abandonaria o coletivo. O disco "Bon Jovi: 2020" foi adiado por causa da pandemia de COVID-19.

19. Damien Hirst

Artista plástico, empreendedor e colecionador de arte, integrou o coletivo Young British Artists, muito popular no panorama artístico britânico durante a década de 1990. Vencedor do prestigiado prémio Turner em 1995, tem na morte a temática central das suas produções. Foi convidado a representar o Reino Unido da Bienal de Veneza em 1999 mas recusou. Pouco depois, começaria a ser acusado de plagiar obras e objetos. Uma empresa acusou-o de copiar um dos seus brinquedos numa das suas esculturas.

20. Sheryl Crow

Foi professora de música antes de se tornar cantora. Depois de acompanhar Michael Jackson como corista numa digressão, gravou vozes de apoio para artistas como Stevie Wonder, Belinda Carlisle e Don Henley. Em 1993, lança "Tuesday Night Music Club". Em 1994, o single "All I wanna do" converte-a numa estrela global e, em 1995, ganha três prémios Grammy. A partir de 1997, vai perdendo popularidade, apesar de voltar a brilhar em 2002. O seu último disco, "Threads", foi lançado a 30 de agosto de 2019.

21. Fran Drescher

Protagonista da comédia "Competente e descarada", a versão americana de uma nova série de televisão que a TVI está a preparar, com Rita Pereira no papel principal, a atriz, escritora e ativista viveu na pele de Fran Fine um dos momentos altos da sua carreira. Exibida entre 1993 e 1999 nos EUA, registou na terceira temporada, entre 1995 e 1996, a sua melhor performance. Depois disso, a artista faria, maioritamente, pequenas participações noutras séries de televisão ou noutras comédias, mas sem o mesmo brilho.

22. Boyz II Men

O primeiro single, "Motownphilly", foi, em 1991, o primeiro dos muitos êxitos do quarteto norte-americano, originário de Filadélfia, que em 1995 viveu um dos seus melhores anos. Embalados pelo sucesso de "End of the road" e "I'll make love to you", lançam "One sweet day", em colaboração com a cantora e compositora Mariah Carey. A partir de 1997, a sua sorte muda. Em 2003, Michael McCary, que sofre de esclerose múltipla, abandona o coletivo, que continua como trio. O último disco data de 2017.

23. Vladimir Malakhov

Nascido em 1968 em Kryvyi Rih, uma cidade ucraniana que então integrava a União Soviética, tinha quatro anos quando começou a dançar. Mais tarde, faria a sua formação de bailarino na escola da prestigiada companhia de bailado do Teatro Bolshoi, em Moscovo. Em 1986, torna-se no bailarino principal do Balé Clássico de Moscovo. Em 1992 muda-se para Viena na Áustria e, pouco depois, ruma ao Canadá. Na primavera de 1995, torna-se no bailarino principal do American Ballet Theatre, em Nova Iorque.

24. Cristina Carvalhal

Atriz e encenadora, viveu em 1995 um dos momentos áureos da sua carreira. É uma das personagens centrais do filme "Adão e Eva", realizado pelo cineasta Joaquim Leitão. Protagonizado por Maria de Medeiros e Joaquim de Almeida, tornou-se, na altura, no filme português mais visto de sempre, com mais de 250.000 espectadores. Em Espanha, viram-no mais de 70.000. Mais tarde, foi convertido em minissérie de três episódios e exibido pela SIC. Desde então, não voltou a ter papéis com o mesmo mediatismo.

25. Real McCoy

1989 marca a criação do projeto M.C. Sar & The Real McCoy, um grupo de música de dança alemão que, nos primeiros anos, não atrai multidões. Em meados de 1994, depois de mudarem de editora, a sua sorte começa a mudar. O sucesso europeu leva um executivo americano a apostar neles, encurtando o nome para Real McCoy. Fazem furor com singles como "Another night," "Automatic lover (call for love)," "Run away" e "Come and get your love". Em 1997, o disco "One more time" fracassa e a banda separa-se.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.