Não tem a aparência exterior opulenta e grandiosa que muitos hotéis de cinco estrelas exibem. Longe disso! Mas também não lhes fica nada atrás... A simplicidade e o recato do hotel Nolinski Paris têm sido, aliás, elogiados publicamente. "A sua presença é de tal maneira subtil que, se piscarmos os olhos, passamos por ele e nem sequer nos damos conta", escreveu mesmo a prestigiada revista Wallpaper na reportagem que lhe dedicou.

No entanto, mal se entra na discreta porta do número 16 da Avenue de l’Opéra, no primeiro arroundissement, um dos bairros mais cosmopolitas e elegantes da sempre concorrida capital francesa, o caso muda de figura. Desenvolvido pelo reputado arquiteto Jean-Louis Deniot, também responsável pelo luxuoso spa da Chanel no Hotel Ritz, em Paris, este pequeno hotel de luxo de cinco estrelas surpreende de imediato.

Fotografias sedutoras das cidades mais instagramadas
Fotografias sedutoras das cidades mais instagramadas
Ver artigo

Para o seu primeiro hotel na cidade, o grupo Evok Hôtels, que também possui o Hameau de la Volière, na zona montanhosa de Courchevel, que muitos procuram para umas férias na neve, não olhou a meios. A receção é de mármore carrara, pedra natural branca com veios cinza de origem italiana.

Os tecidos usados são ricos, os frescos nas paredes são distintivos e a escada, escura, que liga os seis andares do edifício, não deixa antever pisos repletos de apontamentos de cor.

Era uma vez um viajante abastado que inspirou o conceito de um hotel
Fotografia de Guillaume de Laubier

A localização é excelente. Nas proximidades do Museu do Louvre, da Comédie-Française e dos jardins do Palais Royal, o hotel Nolinski Paris é o local perfeito para uma estadia na cidade. Além de 45 quartos elegantes e confortáveis, integra ainda quatro restaurantes. A Brasserie Réjane, assumidamente urbana, é frequentada por muitos habitantes locais, sobretudo para pequenos-almoços e até almoços de trabalho.

O Grand Salon, também bar, é um espaço de restauração elegante e intimista, que ocasionalmente é palco de tertúlias e de concertos de jazz e de canto lírico. Mais sofisticado, o Restaurant du Palais Royal, com uma estrela Michelin, (e)leva a gastronomia francesa a um outro nível. Rej, merceria e take-away que privilegia os sabores mediterrânicos, também ela aberta ao público, complementa a oferta.

O segredo surpreendente que a cave do hotel esconde

O coração de Paris tem os seus mistérios, que a confidencialidade reserva apenas aos iniciados. A frase, inscrita numa brochura promocional do hotel, não podia fazer mais sentido, sobretudo depois de se descer à cave do edifício de elegância haussmaniana, adjetivo criado para enaltecer a visão de Georges-Eugène Haussmann, o barão que esteve na origem dos grands boulevards, as grandes avenidas da cidade.

É lá que fica um dos mais bem guardados segredos da capital francesa, o Spa Nolinski by La Colline, um luxuoso spa que inclui uma piscina com 16 metros de comprimento, salas de tratamento com produtos suíços e um ambiente quase feérico. Ao murmúrio transparente da água, junta-se o chão de granito, madeiras quentes e uma iluminação à luz de velas que confere ainda mais magia a este templo de bem-estar inusitado.

Em 2017, o júri dos prémios Prix Villegiature Awards considerou-o o melhor spa de hotel da Europa. Não foi, contudo, o primeiro título do Nolinski Paris, também eleito o melhor hotel de luxo pequeno da Europa para o biénio 2017/2018 nos European Property Awards. Além do título de melhor hotel de luxo pequeno internacional, recebeu ainda um dos World Luxury Hotel Awards, na categoria de arquitetura e design.

Era uma vez um viajante imaginário que inspirou o conceito de um hotel
Fotografia de Guillaume de Laubier

Nolinski é o nome de um personagem imaginário. Um indivíduo abastado que gosta de viajar. O conceito é simples. O hotel foi desenvolvido como se da casa desta figura misteriosa se tratasse. "Cada um dos espaços é uma viagem para os sentidos, despertando emoções, [num] ambiente perfumado de especiarias", pode ler-se no site da unidade hoteleira. Quando lá pernoitámos, tivemos a oportunidade de o sentir in loco.

"Os seus camafeus de azul e de verde esmeralda, [além dos seus] materiais nobres e do mobiliário por medida, orquestram uma doce harmonia lírica. Uma convivialidade servida com paixão", descrevem ainda os proprietários. À medida que vamos deambulando pelos seis andares para aceder aos quartos, o ideal é fazê-lo a pé, para apreciar as nuvens desenhadas no teto escuro e/ou admirar as pinturas exteriores do elevador.

A decoração, original e mais sombria do que o habitual, reduz a opulência dos países do Golfo Pérsico à escala de um glamour parisiense, combinando-o com elementos estéticos da art déco da década de 1930. É, pelo menos, assim que muitos dos que já lá ficaram o descrevem. Além de tecidos ricos, há betão encerado, móveis lacados, madeiras neoclássicas e jogos de volumes, de cores e de texturas, muitas delas contrastantes.

Tertúlias literárias e performances dignas dos melhores cabarés

É um dos novos serviços que muitos hotéis de luxo já começam a disponibilizar. Em todos os quartos, o Nolinski Paris tem à disposição dos hóspedes um telemóvel com ligação à internet e chamadas ilimitadas que também apresenta sugestões de museus, restaurantes e atividades, promoções e ofertas e que pode acompanhar quem lá pernoita nas suas deslocações diárias. Um serviço gratuito que se pode revelar muito útil.

Os menos tecnológicos podem pedir recomendações ao concierge do hotel, que também disponibiliza um coach desportivo para os mais ativos, além de programas infantis para crianças exigentes e ainda serviços de passeio e de tratamento de animais de estimação. Os eventos são outra das apostas desta unidade hoteleira, que gosta de surpreender com um programa de atividades culturais originais e até mesmo insólitas.

Além de jantares-espetáculo na Brasserie Réjane, esta unidade hoteleira da rive droite promove regularmente tertúlias literárias, performances artísticas com coreografias dignas dos melhores cabarés, eventos especiais para assinalar efemérides e ainda exposições temáticas, como a de fotografias a preto e branco do conceituado Studio Harcourt, que também envia fotógrafos ao hotel para produções fotográficas que ficam para sempre.

Era uma vez um viajante imaginário que inspirou o conceito de um hotel
Fotografia de Guillaume de Laubier