O meu conceito de jardim é diferente do que tradicionalmente se designa por jardim, uma área, geralmente de recreio ou lazer, na qual são cultivadas, unicamente, plantas ornamentais que visam a beleza do espaço. A este conceito poderíamos acrescentar a utilidade das plantas para vários usos, incluindo culinário, medicinal, beleza, cosmética e até no vestuário (linho e algodão). Podemos assim retirar de um jardim o máximo proveito e ajudar a combater a crise… Eu sei que, nesta perspetiva, era muito mais rentável construir uma horta ou pomar, mas muitas das plantas que cultivamos nestes espaços podem ser enquadradas num jardim.

E aliar a beleza estética à utilidade da planta para múltiplos aspectos da nossa vida. Seria o chamado dois em um. Assim, dos milhares de plantas hortícolas, frutícolas, medicinais, aromáticas e outras, devemos escolher, tendo sempre em atenção os fatores edafo-climaticos, quais as melhores combinações possíveis de modo a que a beleza e o aspeto utilitário, resultem sempre. Seguem-se alguns exemplos:

- As rosas e outras flores têm a sua beleza natural, mas existem plantas aromáticas e medicinais como o alecrim, a calêndula, a camomila, o funcho, as chagas, o tomilho, o onagra, a equinácea, a lúcia-lima e a alfazema, só para citar algumas, que, podem ser colocados nos canteiros, sendo utilizadas a nível medicinal, cosmética e na culinária.

- Em vez de plantarmos árvores ornamentais, poderíamos escolher uma cerejeira, um pessegueiro, um damasqueiro, uma romãzeira, uma laranjeira ou limeira, entre outras. Estas árvores também podem ser muito bonitas e dão frutos necessários para a nossa alimentação.

- Trepadeiras feitas com plantas úteis como a videira, maracujá roxo, alcaparras, chu-chus, entre outras, são opções estética de valor.

- Existem couves com folhas frisadas (galega), recortes finos e muito bonitos (couve russa), inflorescências (flor e brócolos) e repolhudas (lombardo e repolho) que ficam muito bem em determinados espaços. As alfaces (roxas, verdes, lisas e frisadas) são plantas que também podem formar canteiros de uma beleza útil.

- A relva pode ser substituída por áreas de trevos que depois de cortados podem ser utilizados para compostagem ou adubo verde para outras plantas.

- Para quem gosta de catos, temos o figo-da-índia, que é muito agradável e tem um sabor a papaia.

- Os buxos, tal como outras sebes, podem ser substituídas por erva-príncipe, pitangueiras, pimentos picantes (existem várias variedades perenes), alfazemas, mirtilos e groselhas. Estas plantas podem ser aproveitadas para diversas funções na nossa vida.

- Os animais de quinta, como galinhas, coelhos e patos, podem entrar nestes jardins, construindo galinheiros, coelheiras de madeira ou outro material (podem ser móveis). Alguns destes animais podem dar-nos ovos e contribuir para a nossa alimentação.

Veja na página seguinte: Um jardim citadino que até tem espaço para uma baliza de futebol

Exemplo em jardim próprio

O meu jardim em Lisboa tem apenas 162 m2, é muito pequeno, mas tenho uma limeira no centro, com relva à volta e pequenos canteiros nas laterais com trepadeiras como o maracujá, framboesas, amoras, chagas e uma alcaparra, bem como diversas plantas aromáticas (salsa, coentros, tomilho, orégãos e manjericão), que são utilizadas na alimentação. Tenho ainda um pequeno galinheiro de madeira com duas galinhas poedeiras, que me dão entre um a dois ovos por dia. Consigo ainda ter um baloiço e uma baliza de futebol para brincar com os meus filhos.

Texto: Pedro Rau (engenheiro hortofrutícola)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.