As plantas aromáticas, ideais para utilizar em bordadura ao seu relvado e no jardim, poderão conferir um uso versátil, tanto para a cozinha, como repelente de mosquitos, a aromas incríveis. Quando se faz o planeamento de um jardim, a forma mais tradicional de o fazer é evoluindo da clareira, para a orla e depois para a mata, passando de um espaço mais aberto, para outro de transição com arbustos e/ou flores e finalmente para um outro de sombra, com árvores.

No espaço dito de clareira, é muitas vezes usual plantarem-se relvados, para favorecer uma zona de verde homogéneo, em contraste com as arbustivas da orla. Esta zona é ideal para correr, passear, usufruir do espaço verde, sem qualquer impedimento físico. Os relvados, se estiverem na presença de muitas árvores, sujeitos a sombra, convém que sejam relvados que consigam aguentar estas condições de ensombramento.

Relvas como a da Grass4garden, uma relva com uma mistura de 80% de Festuca arundinacea e 20% de Poa pratensis, apresenta-se como uma das relvas naturais prediletas para estes casos, com grande tolerância ao ensombramento e de fácil manutenção. Quando planear o seu jardim de aromáticas, ordene sempre as plantas por tamanho, ficando as que possuem um crescimento mais pequeno à frente, e atrás as maiores, e conjugue as cores e texturas, por forma a tornar o seu espaço ajardinado mais dinâmico e divertido.

As cinco variedades que deve privilegiar

Tenha, contudo, em atenção que as exigências de rega das plantas aromáticas são menores que as dos relvados e, por esse facto, deverá prever outro setor de rega para estas arbustivas, com rega gota a gota. Estas são as cinco espécies recomendadas para uma bordadura de plantas aromáticas:

1. Lavandula stoechas

A lavandula stoechas, também conhecida como rosmaninho, é uma planta aromática nativa da região mediterrânica, com um aroma muito característico, é um excelente repelente de mosquitos. É bastante usada para chás e tempero de carnes.

2. Artemisia drancunlus

O estragão é uma planta herbácea, de origem americana, que se adapta a climas mediterrânicos. É uma planta que não deve faltar na horta doméstica, pois é uma excelente planta que repele insetos e outras pragas. O seu formato arredondado, textura e cor são excelentes para formar planos de fundo e enaltecer floríferas, por exemplo.

Veja na página seguinte: 3 ervas aromáticas que também podem ser usadas como plantas ornamentais

3. Salvia officinalis

É uma planta de pequenas dimensões, com caules lenhosos, folhas acinzentadas, e flores azuis a violáceas. Faz parte da família das mentas, Lamiaceae. É nativa da região mediterrânica e cultivada como erva aromática e medicinal ou como planta ornamental. Como erva aromática, a salva tem um sabor ligeiramente apimentado. Na cozinha ocidental, é usada para dar sabor a carnes gordas (especialmente em marinada), queijos e algumas bebidas.

4. Thymus vulgaris

O tomilho, Thymus vulgaris em linguagem científica, é uma planta aromática de folhas pequenas e flores róseas ou esbranquiçadas. Típica da Europa, é especialmente cultivada como condimento e pelo óleo essencial, rico em timol. Por se tratar de uma planta com sabor muito agradável, é amplamente utilizada na culinária. Combina muito bem com carnes cozidas e molhos.

5. Laurus nobilis

Por fim, sugerimos uma árvore aromática, bastante usada na cozinha portuguesa, o loureiro. Esta árvore, sempre verde, pode atingir até cerca de 10 metros de altura. Na culinária, o louro é utilizado em marinadas, assados, molhos, sopas, guisados e feijoadas. Além de ser um ótimo tempero, o louro ajuda na digestão e assimilação dos nutrientes da comida. Deixar folhas em locais onde se guarda a comida ajuda a repelir animais.

Texto: Joana Marques (gestora de produto da empresa Grass4you)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.