O Serviço Nacional de Saúde, fez agora 40 anos. Que devem ser celebrados pelo muito que significaram e significam para todos os portugueses. Só que o SNS não surge do nada. Ao contrário do que alguns sectores de uma esquerda radical e pretendem fazer crer, tem antecedentes e primórdios que facilitaram grandemente a sua implantação em todo o território nacional, sendo a reforma da Saúde de 1971 e a sua aplicação no terreno o antecedente mais significativo.

Esta Reforma, que se dá durante a “primavera política” de Marcello Caetano e decorre da sua doutrina do “Estado Social” resultou da conjugação de vontades de uma classe médica esclarecida e progressista, com a de dois governantes do consulado marcelista: o  Ministro da Saúde e Assistência Dr. Baltazar Rebelo de Sousa, médico também,  o seu Secretário de Estado da Saúde e Assistência Prof. Gonçalves Ferreira,  médico especialista em saúde pública e ex-diretor do Instituto Superior de Higiene (actual I. Ricardo Jorge) e a colaboração esclarecida do Dr. Arnaldo Sampaio, Director Geral de Saúde à época e foi muito inovadora, quase revolucionária para o Portugal de então.

A reforma, plasmada no Dec. Lei 413/71 (Lei Orgânica do Ministério da Saúde e Assistência Social) e no Dec. Lei 414/71 (Carreiras) reconhece e promove, pela primeira vez, a universalidade do direito de todos os cidadãos à Saúde o qual passa a ser garantido pelo Estado que estabelece e coordena um sistema global e unificado de saúde, com componente pública e privada e social (Misericórdias), cria a primeira rede de Centros de Saúde, dá ênfase ao que viriam a ser os Cuidados Primários de Saúde, cria as carreiras médicas, vagas para o Internato Geral e Complementar e carreiras para outros profissionais de saúde. Por outro lado, embora dependendo do Ministério das Corporações, os postos dos Serviços Médico- Sociais da Previdência passam também a integrar o sistema.

Porém muito havia ainda a fazer. Nomeadamente porque em 1973 só 76% da população estava coberta por esquemas de seguro/doença. Na sequência do art.º 64º da Constituição de 1976, o Dr. António Arnaut, com o apoio do Secretário de Estado da Saúde, o médico Prof. Mário Mendes, nos seis meses (Janeiro a Agosto de 1978), em que foi Ministro dos Assuntos Sociais do Governo do Dr. Mário Soares, fez o Despacho que estendeu o direito de acesso de todos os portugueses à rede das Caixas e à universalidade do acesso à Saúde e redigiu a lei do SNS (Lei 56/79) que só viria a ser publicada em Setembro de 79, já no governo de Maria de Lurdes Pintassilgo. Lançava assim, as bases do que representou um avanço civilizacional para o nosso país e cuja necessidade é hoje unanimemente aprovada por todos os partidos e ideologias do arco democrático português, não se discutindo o direito fundamental de todos os portugueses a cuidados de saúde universais e tendencialmente gratuitos, divergindo apenas quanto ao modelo organizativo. Isso porém ficará para um próximo artigo.

Um artigo de opinião do médico Germano de Sousa, Anterior Bastonário da Ordem dos Médicos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.