Segundo Bruno Reis, porta-voz do Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia (EESMO), os dados relativos aos últimos três meses vão mostrar que indisponibilidade de muitos especialistas para desempenharem funções específicas obrigou a que mais partos tivessem que ser acelerados.

A notícia é avançada hoje pelo jornal Público.

Segundo dados do Portal da Saúde, em alguns hospitais o número de cesarianas aumentou desde o início do ano.

Nos primeiros sete meses deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016, o número de cesarianas aumentou, por exemplo, no Hospital Amadora-Sintra e no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, mas também se verificou o contrário no Centro Hospitalar do Porto, escreve o referido jornal.

Entrega dos títulos

Segundo Bruno Reis, cerca de 150 especialistas num universo de um milhar mostraram-se prontos para entregar os seus títulos na OE, esta semana, prevendo-se que nos próximos dias outros avancem no mesmo sentido.

Vários enfermeiros com especialidade de Saúde Materna já pediram a suspensão dos títulos, mas o número de pedidos só deverá ser conhecido no fim desta semana, reafirmou Ana Rita Cavaco.

Os especialistas de Saúde Infantil e Pediátrica, Reabilitação e Médico-Cirúrgica também criaram movimentos e manifestaram a intenção de entregar os títulos, o que os impedirá de trabalhar em atividades específicas, exigindo ao mesmo tempo ao Governo que lhes aumente os salários e crie carreiras específicas.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.