O pagamento destina-se a saldar a dívida fiscal que tinha com o Ministério das Finanças de Espanha, pelo dinheiro de que beneficiou da Fundação Zagatka, para o pagamento de voos de jatos particulares, explicou Javier Sánchez-Junco, advogado do rei emérito, confirmando informações veiculadas antes pela imprensa.

"A apresentação das autoavaliações complementares corresponde ao rendimento proveniente do assumir, pela Fundação Zagatka, de determinadas despesas de deslocações e serviços prestados por Sua Majestade, da qual poderão decorrer determinadas obrigações fiscais regularizadas", acrescentou o advogado, num comunicado.

A Fundação Zagatka foi fundada em 2003 por Álvaro de Orléans-Borbón, um primo distante de Juan Carlos I, que pagou os custos dos voos privados entre 2007 e 2018.

Esta é a segunda declaração voluntária apresentada pela defesa de Juan Carlos I, depois de uma outra apresentada em dezembro passado para liquidar uma dívida com as Finanças, no valor de 678.393 euros.

Leia Também: Rei emérito Juan Carlos paga divida fiscal de mais de quatro milhões

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.