- Podemos falar de epidemia?

"Estamos a assistir ao surgimento de um processo inusitado que ainda não está claro se vai se tornar uma explosão epidémica ou se vai se limitar a uma disseminação mais contida. Nos últimos dias, o número de casos notificados duplicou em três ou quatro dias, o que pode indicar o crescimento exponencial de uma onda epidémica.

Mas também cabe questionar se a recente cobertura mediática sobre o fenómeno não encorajou os pacientes a consultar os seus médicos e a estes a falar mais sobre o diagnóstico e notificar os casos detetados.

Portanto, ainda é um pouco cedo para falar em epidemia, mas o início de uma epidemia seria semelhante ao que se observa atualmente".

- Está surpreso e preocupado com a propagação da doença?

"O aparecimento deste fenómeno, que é novo fora da África equatorial, deve colocar-nos em alerta. Seria muito mais eficaz do ponto de vista sanitário e muito menos impactante do ponto de vista social e económico isolar os poucos casos detetados por três semanas e solicitar uma quarentena para contactos altamente suspeitos.

Agora podemos tentar desmantelar todas as cadeias de transmissão porque temos apenas algumas, em vez de esperar ser sobrecarregados por um possível afluxo de casos para os quais temos pouco conhecimento, poucos tratamentos ou vacinas disponíveis.

No momento, o que se sabe sobre o vírus não nos faz temer a contaminação massiva da população em geral, a menos que o vírus tenha evoluído.

Sabe-se, há mais de 50 anos, pela experiência africana, que esse vírus requer um alto grau de contacto pessoa a pessoa com alguém contagioso para permitir a infeção".

- Existe risco de pandemia mundial?

"Neste momento, nenhum cenário pode ser excluído, e a possibilidade de uma pandemia não pode ser totalmente descartada. No entanto, existem outros cenários menos pessimistas que são pelo menos tão viáveis.

Até agora, nenhuma cadeia de mais de seis infetados foi reportada. A taxa de reprodução na África sempre foi inferior a 1, ou seja, sem potencial pandémico.

É possível que agora existam as condições para que a transmissão entre humanos seja facilitada por uma maior adaptação do vírus, e também por redes de comunidades humanas que vivem em locais densamente povoados e com grande mobilidade.

A pandemia do VIH/Sida também começou com a infeção de determinados segmentos da sociedade, como comunidades homossexuais masculinas e pessoas que trocam seringas. A pandemia espalhou-se para outros grupos populacionais, como pacientes transfusionais, profissionais do sexo, casais heterossexuais e recém-nascidos de mães infetadas.

Mas, por enquanto, nada indica que o vírus da varíola do macaco seja sexualmente transmissível. O contágio ocorre através do contacto próximo e prolongado com uma pessoa infetada com lesões na pele, não havendo razão para que se limite à comunidade homossexual masculina".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.