Em relação ao número de mortos, o país sul-americano contabilizou 1.347 óbitos entre domingo e hoje, num total de 374.682 vítimas mortais, segundo o último boletim epidemiológico difundido pelo Ministério da Saúde.

Os dados são inferiores aos atingidos na semana anterior, quando o país alcançou mais de três mil mortes diárias e de 80 mil novos casos.

Segundo explicações da própria tutela da Saúde, essa diminuição deve-se à falta de recursos humanos ao fim de semana para testar e recolher os dados, sendo que estes acabam por ser consolidados às terças-feiras.

Em números absolutos, o Brasil é o segundo país em todo o mundo com mais mortes devido à covid-19, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com mais casos, depois da nação norte-americana e da Índia.

Em relação às mortes por milhão de habitantes, o Brasil já ultrapassou os Estados Unidos, México e Peru, nas últimas duas semanas, e tornou-se o país com mais mortes por covid-19 das Américas, apontam dados da plataforma Our World in Data, vinculada à Universidade de Oxford.

Atualmente, o Brasil tem 1.756 óbitos por milhão de habitantes, seguido pelo Peru (1.722), Estados Unidos (1.713) e México (1.646), na América.

Geograficamente, São Paulo (2.750.300), Minas Gerais (1.281.421), Rio Grande do Sul (922.550) e Paraná (909.691) são os Estados brasileiros que concentram mais diagnósticos confirmados de covid-19.

Por outro lado, as unidades federativas com mais óbitos são São Paulo (88.528), Rio de Janeiro (41.418), Minas Gerais (30.397) e Rio Grande do Sul (23.271).

A taxa de incidência da doença no país é hoje de 178 mortes e 6.649 casos por 100 mil habitantes, segundo dados do Ministério da Saúde.

Num momento em que a pandemia avança de forma descontrolada no país, e atinge cada vez mais cidadãos jovens, o Governo, presidido por Jair bolsonaro, será investigado por alegadas omissões no combate à covid-19.

Em causa está uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que decorrerá no Senado do país.

A versão preliminar do plano de trabalho da CPI prevê acareações, quebras de sigilo e a convocação dos principais auxiliares de Bolsonaro para prestarem esclarecimentos sobre ações e eventuais omissões do executivo federal no combate à pandemia, segundo o portal de notícias G1.

Segundo esse plano provisório, estão no alvo da CPI os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, e da Economia, Paulo Guedes, que podem ser convocados para prestar depoimento como testemunhas.

Há ainda a previsão de convocação de todos os ex-ministros da Saúde — Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello –, do ex-ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do ex-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Fábio Wajngarten, de acordo com o G1.

A criação da CPI é um novo revés para o Governo de Jair Bolsonaro, que desde o início da pandemia minimizou a gravidade da covid-19, a qual classificou de “gripezinha”, continua a censurar a adoção de medidas de isolamento social e chegou a pôr em dúvida a eficácia das máscaras.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.020.765 mortos no mundo, resultantes de mais de 141,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.